Carregando...

Publicidade

Com muito esforço, a diretoria do Flamengo conseguiu liberar o estádio para a partida de abertura da Taça Libertadores da América, torneio que o time não vence desde 1981 (Foto: AFP)

Maraca como caldeirão.

Em noite de estreia, o Flamengo contará com a força de mais de 50 mil rubro-negros no Maracanã.

08/03/2017

Prestes a estrear na Copa Libertadores contra o tradicional San Lorenzo, da Argentina, nesta quarta-feira, às 21h45min, o Flamengo aposta na força de seu elenco e no reforço de última hora do Maracanã, resgatado do abandono, para estrear com o pé direito na competição.

Após os Jogos Olímpicos do Rio-2016, no qual foi palco das cerimônias de abertura e encerramento e da inédita medalha de ouro para a seleção brasileira de Neymar e companhia, o mítico estádio da Cidade Maravilhosa foi abandonado.

O Maracanã acabou se tornando vítima de uma disputa político-judicial entre a concessionária que administra o estádio e o Comitê Organizador das Olimpíadas do Rio.

Para poder contar com sua tradicional casa, o Flamengo entrou em acordo com a concessionária, arcou com os custos de limpeza, de recuperação do gramado e da conta de luz - não havia sido paga desde dezembro - e conseguiu recuperar o estádio a tempo.

A iniciativa promete dar frutos. Dos 53 mil ingressos colocados à venda para a torcida rubro-negra, 48 mil haviam sido vendidos até segunda-feira à noite.

Motivação

“É uma motivação muito grande jogar no Maraca diante da nossa torcida. É algo que vem acontecendo pouco diante de todos os problemas que vêm acontecendo. Faz tempo que o Flamengo queria voltar à Libertadores”, declarou o goleiro Alex Muralha, em coletiva de imprensa.

Com promessa de casa cheia, o Flamengo entrará em campo com um dos elencos mais fortes do Brasil e disposto a mostrar que tem condições de brigar pelo título continental, conquistado pela última vez em 1981, quando o lendário Zico comandava o time da Gávea.

Para isso, as apostas do técnico Zé Ricardo estão depositadas no faro artilheiro do atacante peruano Paolo Guerrero, autor de sete gols nesta temporada, e na criatividade do meia Diego, convocado por Tite para defender a seleção brasileira nas eliminatórias sul-americanas.

Adversário

Do outro lado do campo, o Flamengo encontrará um tradicional adversário no San Lorenzo, campeão da Libertadores em 2013 e um dos integrantes do forte grupo 4, ao lado do Universidad Católica, do Chile, e do Atlético Paranaense.

Sob o comando do técnico uruguaio Diego Aguirre, com passagem pelo Brasil, onde treinou Internacional e Atlético Mineiro, o San Lorenzo tentará deixar de lado a falta de ritmo de jogo da equipe para buscar uma resultado positivo contra o Flamengo.

O clube de Almagro sofre com a crise no futebol argentino, paralisado por uma greve dos jogadores, que reivindicam o pagamento de salários atrasados.

Com isso, o San Lorenzo ainda não disputou uma partida oficial em 2017 e a falta de competitividade poderá ser mortal contra um Flamengo invicto neste ano e já tendo jogado pelo Carioca e Copa Primeira Liga.