Carregando...

Publicidade

(Foto: Reprodução/Internet)

BNDES articulou frigoríficos no País.

27/03/2017

São Paulo. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aplicou R$ 14,3 bilhões, entre 2005 e 2015, para consolidar o setor de processamento de carnes, abalado desde semana passada pela Operação Carne Fraca, da Polícia Federal. O valor inclui empréstimos diretos e indiretos, aplicação em títulos de dívida e compra de participações acionárias para seis empresas, conforme a base de dados do banco.

O BNDES atuou como articulador da consolidação dos frigoríficos na década passada, num processo que levou o Brasil ao posto de maior exportador de carnes do mundo. Quatro empresas abocanharam R$ 14 bilhões - não foram considerados empréstimos automáticos, a maioria para investir em máquinas e equipamentos. Além de JBS (R$ 5,4 bilhões) e Marfrig (R$ 3,8 bilhões), o Bertin recebeu R$ 2,7 bilhões. Em 2009, o JBS comprou o Bertin, formando o maior produtor de proteína animal do mundo. A BRF, criada em meio à crise de 2008, com a fusão entre Sadia e Perdigão, recebeu R$ 2 bilhões. Minerva recebeu, que não é alvo da operação da PF, R$ 132 milhões em crédito e Independência, R$ 250 milhões em participação acionária.

Monitoramento

O BNDES informou que monitora os investimentos e acompanha as investigações. Na sexta-feira, a presidente do banco, Maria Silvia Bastos Marques, disse que é "muito prematuro" comentar os impactos. Ela é crítica à visão da gestão anterior.