Carregando...

Publicidade

De acordo com o superintendente estadual do BB, Castro Júnior, um dos setores beneficiados pelo termo de cooperação é o calçadista. (Foto: Kid Jr.)

BB: crédito de R$ 6,6 bi para empresas do Ceará.

Banco do Brasil assina termo de cooperação com Governo do Estado para atuar como agente financeiro preferencial.

20/04/2017

O Banco do Brasil (BB) está disponibilizando R$ 6,6 bilhões em crédito pré-aprovado para o financiamento de projetos de empresas cearenses clientes do BB. O pacote também faz parte de um acordo que vai ser assinado hoje entre o Governo do Estado e o Banco. O termo de cooperação técnica prevê que o BB atue como agente financeiro preferencial para empreendimentos amparados por incentivos da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE). A cooperação beneficiará empresas que recebem incentivos por meio da SDE e visa estimular novos negócios e a ampliação de instalações.

Para o superintendente estadual do Banco do Brasil, Castro Júnior, a expectativa é aumentar a demanda de financiamentos e crédito. Segundo ele, o diferencial do acordo é o fluxo de atendimento. O BB vai criar uma estrutura específica para atender à demanda das empresas por capital de giro, investimento e comércio exterior.

"Foram feitas algumas reuniões com o Governo do Estado para o alinhamento de estratégias entre ambos. Todos os projetos de interesse do Estado também terão relevância para o Banco do Brasil", explica ele.

Iniciativas

Dentre os projetos citados por Castro Júnior estão a construção de galpões para empresas do setor calçadista e os polos industriais no Estado. O superintendente ainda ressalta que o termo vai estimular a economia cearense e deve atender à segmentos mais específicos do setor produtivo. "A gente já está percebendo uma retomada da demanda por crédito por parte das empresas", afirma ele.

Com o termo, o Banco do Brasil dará prioridade às propostas na esteira de análise de apurações de crédito, buscando maior agilidade no atendimento ao cliente indicado pela SDE. Desta forma, destravará as restrições de crédito por segmento econômico e analisará as propostas de financiamento por empresa. Atualmente, cerca de 420 instituições são atendidas pelos programas de incentivo da SDE e vinculadas, como o Fundo de Desenvolvimento Industrial (FDI).

"O termo não dá preferência ao BB, inclusive já alteramos, mas cria um mecanismo de compromisso ao banco em ações de promoção ao financiamento, reavaliação de limites e retomada de crédito a setores que estavam suspensos. Ações que serão monitoradas pela entidade e pelo Governo", explica o titular da SDE, Cesar Ribeiro. Ele já havia informado que o termo deve destravar pelo menos R$ 2 bilhões em crédito para indústrias.

Rede de atendimento

Para apoiar de forma diferenciada as empresas contempladas por esse Termo, o BB dispõe de uma Rede de Agências no Ceará especializada em pessoa jurídica segmentada de acordo com o faturamento anual das empresas, sendo uma agência do Pilar Atacado, voltada às empresas com faturamento anual acima de R$ 45 milhões, cinco agências do Pilar Varejo, voltadas às empresas com faturamento anual entre R$ 1 milhão e R$ 45 milhões e uma agência digital com foco negocial voltado às empresas com faturamento de até R$ 1 milhão. "Essa estratégia de atuação do Banco do Brasil nesse mercado tem garantido soluções adequadas às especificidades de cada um dos nichos de seu segmento, com proposta de produtos e serviços inovadores", diz o Banco do Brasil em nota.

Já o Governo do Estado, através da SDE, vai selecionar e indicar empresas com perfil para apresentar propostas de investimento, visando proporcionar maior agilidade no atendimento do pleito. Já a Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec) vai realizar a divulgação do termo e mobilização das empresas, por meio de seus sindicatos filiados.

Taxas de juros

O BB também oferece um portfólio com soluções de crédito voltadas às necessidades de capital de giro, com taxas a partir de 1,56% ao mês; para investimento, com taxas a partir de 1,36% ao mês e para comércio exterior, com taxas a partir de 5% ao ano.