Carregando...

Publicidade

Além das detenções, também foram expedidos mandados de busca e apreensão e uma ordem de suspensão de exercício de função pública. (Foto: Agência Diário)

OPERAÇÃO 'DÉJÀ VU': Cinco policiais rodoviários presos.

26/04/2017

Cinco policiais rodoviários federais lotados na Unidade Operacional de Boa Viagem, localizada na rodovia BR-020, foram presos preventivamente, por força de mandados judiciais, suspeitos de estarem cobrando propinas. As detenções foram realizadas durante a deflagração da 'Operação Déjà Vu', da Polícia Federal (PF) e Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Além dos mandados de prisão, a Polícia cumpriu 10 mandados de busca e apreensão e uma ordem de suspensão de exercício de função pública, em quatro municípios cearenses, sendo eles Fortaleza, Sobral, Boa Viagem e Maracanaú.

De acordo com nota emitida pela PF, "o grupo criminoso solicitava 'pedágio' (propina) de cidadãos que transitavam de forma irregular, deixando de lavrar autos de infração e demais sanções administrativas cabíveis".

Os presos foram levados à Superintendência da Polícia Federal no Ceará, no Bairro de Fátima. Eles foram indiciados pelos crimes de corrupção passiva e associação criminosa, com penas que podem chegar a até 15 anos de reclusão.

A PF e a PRF não entraram em mais detalhes sobre os presos, os materiais apreendidos e o esquema criminoso, justificando que o juiz da 23ª Vara da Subseção Judiciária da Justiça Federal de Quixadá determinou sigilo sobre mais informações.


(Foto: Reprodução)

Antecedente

As investigações começaram no ano passado, em desdobramento à prisão de um policial rodoviário federal lotado na mesma Unidade Operacional, em Boa Viagem, pela prática do mesmo crime, em 2015. Após a investigação encontrar indícios de que havia uma associação criminosa agindo, a PF pediu a prisão dos policiais e a Justiça acatou.

A PF e a PRF atuaram com aproximadamente 100 policiais (sendo 50 de cada instituição), na operação, batizada de 'Déjà Vu'. "O termo reporta-se à expressão francesa que significa algo já visto, porém, ocorrendo em situação futura, referindo-se à prática delituosa de cobrança de propina reprimida na mesma Unidade Operacional de Boa Viagem/CE da PRF em 2015", explicou a Polícia Federal.