Carregando...

Publicidade

A variável Evolução do PIB ficou em patamar positivo, alcançando 124,1 pontos na pesquisa referente ao bimestre março-abril. (Foto: José Leomar)

ECONOMIA: Otimismo de especialistas cearenses cresce 11,8%.

26/04/2017

Especialistas de diversos setores da economia cearense revelaram estar 11,8% mais otimistas em relação à situação econômica no bimestre março-abril ante o anterior (janeiro-fevereiro), de acordo com a 18ª edição da pesquisa Índice de Expectativas dos Especialistas em Economia. Além disso, o levantamento também revela avanço de 8,4% no otimismo em relação ao futuro do cenário econômico.

O resultado é decorrente do patamar positivo alcançado por sete das nove variáveis investigadas para a composição da pesquisa; duas a mais que as cinco que obtiveram otimismo na edição anterior (janeiro-fevereiro). Registraram mais de 100 pontos taxa de inflação (169,0 pontos), taxa de juros (162,5 pontos), cenário internacional (130,6 pontos), evolução do PIB (124,1 pontos), gastos públicos (121,8 pontos), taxa de câmbio (106,9 pontos) e oferta de crédito, com 106,5 pontos.

Cada uma das variáveis analisadas gera três índices: de percepção presente, futura e de expectativa geral. Considerando a soma das variáveis, o índice geral alcançou 118,5 pontos; variação positiva de 11,8% no otimismo em relação à pesquisa anterior. As expectativas sobre a situação futura (128,5 pontos) também ficaram 8,4% mais otimistas. A percepção sobre o desempenho presente das variáveis entrou no terreno positivo ao passar de 93,4 pontos em janeiro e fevereiro para 109,0 pontos em março e abril.

Para Ricardo Eleutério, vice-presidente do Conselho Regional de Contabilidade (Corecon), instituição que divulgou ontem (25) o levantamento em parceria com a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Ceará (Fecomércio-CE), apesar de ter alcançado o patamar positivo, a pontuação do desempenho presente das variáveis ainda é muito baixa.

"Se nós observarmos, esse otimismo ainda é muito pequeno. Os três índices mostraram expectativas positivas, mas que estão um pouco acima de 100 pontos. Nós temos um otimismo que ainda é muito moderado e que reflete este quadro político e econômico ainda com muitas dificuldades", ressalta o vice-presidente do Corecon.

Emprego e salários

As variáveis que não alcançaram 100 pontos e, portanto, tiveram avaliação pessimista por parte dos especialistas foram nível de emprego (91,2 pontos) e salários reais (53,7 pontos), que atingiu, mais uma vez, a menor pontuação. Eleutério avalia que o emprego ainda deve passar por deterioração neste ano. Consequentemente, os salários reais devem continuar baixos.

"Com a situação difícil para o emprego, fica difícil as categorias de trabalhadores lutarem por maiores salários", explica Eleutério. "Embora a inflação esteja menor, neste quadro que nós estamos há dois ou três anos, os salários reais ficam bastante comprometidos e a inflação, embora menor, ainda corrói o poder de compra do consumidor".

A pesquisa da Fecomércio-CE em parceira com o Corecon reúne avaliações de profissionais cearenses da indústria, agricultura, setor público, mercado financeiro, comércio e serviços.

'Moderado'

"Nós temos um otimismo que ainda é moderado e que reflete este quadro político e econômico ainda com dificuldades"