Carregando...

Publicidade

No Lar Torres de Melo, os equipamentos de energia solar foram instalados em fevereiro. (Foto: Reprodução)

Fonte solar é alternativa para cortar despesas.

No Lar Torres de Melo, os equipamentos de energia solar foram instalados em fevereiro.

05/05/2017

Ao passo que o setor produtivo procura caminhar lado a lado com as energias renováveis a fim de reduzir custos, entidades da sociedade civil agora apostam na implementação de sistemas de captação de energia solar para aliviar o impacto das contas de energia elétrica no orçamento e estimam com a medida uma economia de até R$ 132 mil por ano com 100% do funcionamento a cargo das placas solares.

É o caso do Lar Torres de Melo, que atua no cuidado de pessoas idosas e conta com a energia solar desde fevereiro. O projeto, entregue pela Fênix Solar, é o maior em termos de potência em energia solar instalado em telhado do Estado. Com custo de R$ 597 mil, a iniciativa foi uma doação de empresários para a entidade. Com esse valor, foram adquiridos 404 módulos fotovoltaicos com potência de 106,1 kWp. O retorno do investimento, tendo em vista o consumo de energia do Lar – de 15.000 kWh por mês – é de cinco anos.

Está sendo disponibilizada ainda, neste mês, consultoria em eficiência energética para contribuir com a isenção da taxa de demanda contratada, passando esse cliente a ser de baixa tensão (tarifa mínima). Para o diretor da Fênix Solar, responsável também pela consultoria para o Lar Torres de Melo, Clayton Medeiros, a quantia a ser economizada certamente será destinada para a assistência. “É uma honra fazer parte desse projeto”.

Além do Lar, o Tribunal de Contas do Estado (TCE) do Ceará também implementou um sistema de energia fotovoltaico. São 112 painéis solares, de 270 Watts (Sunlight) cada, fixados na sede do TCE Ceará. Com os equipamentos, o TCE, que utiliza 139.134 kWh/mês, reduzirá seu consumo em 3,5%, permitindo economia de R$ 3,2 mil/mês. A potência de geração da usina é de 25,75 KWp (quilowatts pico).

Emissão de CO2

A energia gerada pelo sistema também evitará a emissão de 24 toneladas de dióxido de carbono (CO2) por ano na atmosfera. Considerando a vida útil do sistema, superior a 25 anos, um total de 600 toneladas de CO2 deixarão de ser emitidas. Todos os dados sobre o sistema de geração de energia, potência gerada, a redução na emissão de CO2 poderão ser monitorados online pelo Tribunal.

A expectativa é de que o órgão passe a funcionar com maiores proporções de energia renovável ao longo de 2017. Na expansão do sistema, estima-se que seja gerada energia excedente, possibilitando uma entrega à distribuidora de energia local. O investimento, também realizado juntamente com a Fênix Solar, gira em torno de R$ 195 mil.