Carregando...

Publicidade

Os delegados Osmar Berto, Adriano Félix e Monique Teixeira, que compunham os quadros da Draco, deixarão a Especializada. (Foto: Natinho Rodrigues)

Equipe da Draco muda após divergências na SSPDS.

06/05/2017

Delegados, escrivães e inspetores da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) deixarão a Especializada na próxima segunda-feira (8). Apesar do avanço do crime organizado sobre o Estado, as principais causas das substituições seriam divergências entre células da Polícia Civil e vinculadas da Secretaria de Segurança Pública e defesa Social (SSPDS).

Uma fonte da SSPDS e outra da Polícia Civil, que preferiram não se identificar, contaram à reportagem que houve uma reunião entre a cúpula da Pasta e a Especializada, recentemente. Na oportunidade servidores da Draco teriam reclamado que estavam encontrando resistências da Coordenadoria de Inteligência (Coin) em cooperar com suas investigações.

A Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas também estaria com a relação estremecida com outras Especializadas, que se sentiam com o espaço invadido por operações da Draco. Inevitavelmente, ao investigar o crime organizado, a Draco se deparava com o tráfico de drogas, mas o fechamento de laboratórios de entorpecentes, segundo a fonte da SSPDS, teria sido visto como uma intromissão por alguns policiais.

A reportagem apurou que o titular da Draco, até a última sexta-feira (5), Osmar Berto, irá assumir uma Delegacia da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), assim como a delegada Monique Teixeira, que também fazia parte dos quadros da Especializada. A lotação do delegado Adriano Félix, que atuava na Draco e está de saída não foi divulgada. Osmar foi procurado para comentar as mudanças, mas não quis se pronunciar sobre o assunto. A Secretaria da Segurança Pública disse, em nota, que "o remanejamento de servidores nas delegacias e departamentos da Polícia Civil do Estado do Ceará faz parte de ato administrativo da administração pública. Os nomes serão anunciados oficialmente em momento oportuno".

A Draco foi criada oficialmente em setembro do ano passado e começou a funcionar no mês seguinte. Em seis meses combatendo o crime organizando no Ceará, com o delegado Osmar Berto à frente, realizou apreensões de armamento de grosso calibre e drogas e efetuou prisões de criminosos que ocupam posições relevantes dentro das facções.

Somente em dezembro de 2016, a Especializada apreendeu uma metralhadora Lehky Kulomet ZB, calibre Ponto 30, encontrada pela primeira vez no Estado, no bairro Passaré; uma submetralhadora 9 mm e uma submetralhadora Ponto 40, que estavam escondidas em telhados de casas da Comunidade do 'Gueto', na Barra do Ceará; e outra submetralhadora 9 mm, que estava na posse de negociadores do crime organizado, no bairro Tancredo Neves.

Nove pessoas foram presas, ao total, nas três ações. Entre elas está Alexsandra Matias Batista, 21, a 'Gabi', que seria companheira do homem conhecido como 'My Name'. O acusado comandava uma associação criminosa de dentro de um presídio do Complexo Penitenciário de Itaitinga II.

O grupo tinha ligações com a facção criminosa Comando Vermelho (CV) e importava armas do Estado do Rio de Janeiro. Outra operação da Draco aconteceu no último dia 20 de março, quando o membro do Comando Vermelho, Luís Cléber Pereira da Silva Filho, conhecido como 'Clebinho Caucaia', foi preso com 133Kg de maconha.