Carregando...

Publicidade

Camilo Santana não disse de quanto será o reajuste dos policiais civis. Em junho, sairá edital do concurso para 1.000 agentes penitenciários. (Foto: Agência Diário)

Governo anuncia concurso e reajuste.

Polícia Civil e Agentes Penitenciários.

10/05/2017

Após espera e reivindicações, o governador Camilo Santana anunciou, ontem, em sua página no Facebook, que na próxima semana assinará o Projeto de Lei que garante a média salarial do Nordeste para escrivães e inspetores da Polícia Civil e peritos da Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce).

A promessa vinha desde março deste ano, quando o governador anunciou o reajuste salarial para policiais e bombeiros militares. Desde então, as outras categorias solicitavam que fossem inclusas nesta média salarial. "Representantes da Polícia Civil estarão no Palácio da Abolição presenciando a assinatura", disse o chefe do Executivo do Estado.

Os valores dos aumentos variam de acordo com cada cargo e devem ser anunciados em cerimônia oficial. Para PMs e bombeiros, o reajuste foi dividido em três parcelas: uma no início de abril com a publicação da Lei, outra em março de 2018 e a última em dezembro de 2018.

Novos servidores

No bate-papo com os internautas, Camilo Santana também anunciou que em junho deste ano sai o edital do concurso para a seleção de novos agentes penitenciários. Ao todo, são previstas mil vagas para a função, menos do que o solicitado pela titular da Secretaria da Justiça e Cidadania (Sejus), Socorro França. Em conversas anteriores, o governador disse que a secretária havia pedido, pelo menos, mais 1.500 agentes.

Para o presidente do Sindicato dos Agentes e Servidores do Sistema Penitenciário do Ceará (Sindasp-CE), Valdemiro Barbosa, seriam necessários 3.600 novos agentes penitenciários para suprir a atual demanda. "Devido à crise o Governo resolveu contemplar com essas mil vagas. Na atual situação, tudo é bem-vindo, mas para trabalhar bem seria preciso mais 3.600 vagas. No último concurso, aprovado em 2011, entraram 1.654 formados em diferentes turmas. A gente espera que de acordo com a necessidade, o Governo vá aproveitando", afirmou Barbosa.