Carregando...

Publicidade

(Foto: Reprodução)

Com escalação polêmica e herói improvável, Chape vence o Lanús e renasce na Libertadores

Luiz Otávio, que estaria suspenso de acordo com recomendação da Conmebol, marca de cabeça nos minutos finais e garante triunfo por 2 a 1. Brasileiros agora podem se classificar até com empate na última rodada

17/05/2017

EMBOLOU

Um herói improvável. Um roteiro improvável. E um resultado que, ao que tudo indica, não fica definido após 90 minutos de futebol. Chapecoense e Lanús fizeram um duelo que começou antes de a bola rolar e ainda vai dar pano para manga em Buenos Aires. Tudo isso com um personagem central: Luiz Otávio. Foi do zagueiro o gol que garantiu a vitória por 2 a 1 para o Verdão, em La Fortaleza, pela quinta rodada do Grupo 7 da Libertadores, nesta quarta-feira. E é por ele também que o placar está "sub-júdice". De acordo com a Conmbebol, o zagueiro ainda tem duas partidas para cumprir pela expulsão diante do Nacional do Uruguai. Wellington Paulista abriu o placar, e Sand descontou.

ENTENDA A POLÊMICA

A história do duelo em La Fortaleza está diretamente ligada ao que aconteceu minutos antes de a bola rolar. A Conmebol informou que Luiz Otávio não poderia jogar por ter sido julgado e condenado a três jogos de suspensão pela expulsão diante do Nacional do Uruguai. A Chapecoense contestou, garantiu não ter sido informada e bancou a escalação. O Lanús acompanhou tudo de perto e prometeu brigar por seus direitos. Confusão que coloca em risco tudo que aconteceu durante os 90 minutos.

COMO FICOU?

Com o resultado, a Chapecoense passou a depender das próprias forças para avançar às oitavas de final. O Verdão tem os mesmos sete pontos do Lanús, perde no saldo de gols, mas ultrapassa ou argentinos ou os uruguaios do Nacional, que lideram, com oito, em caso de nova vitória. Mesmo se empatar na última rodada, a Chape pode se classificar. Para isso, basta que o Lanús seja derrotado pelo Nacional. Os brasileiros recebem o Zulia, terça-feira, às 19h30 (de Brasília), na Arena Condá, enquanto Lanús e Nacional medem forças no mesmo dia e horário em Montevidéu.

1º TEMPO

Bem postado defensivamente, veloz e objetivo nos contra-ataques e sem cair na catimba adversária. A Chape que entrou em campo em La Fortaleza nem de perto parecia o time perdido de uma semana atrás em Medellín e soube controlar o bom time do Lanús. Com marcação adiantada, dificultava a saída de bola dos argentinos e facilitava as ações dos defensores. Quando era atacada, Jandrei mostrou segurança com uma grande defesa e saídas seguras do gol. A torcida empurrava, mas o Lanús não conseguia pressionar.

Com as ações defensivas controladas, a Chapecoense se mandou para o ataque. Pela direita, Apodi e Rossi conseguiram faltas perigosas, mas foi do outro lado do campo que saiu o gol. Reinaldo foi ao fundo e cruzou no primeiro pau para Wellington Paulista se antecipar e desviar de cabeça: 1 a 0, aos 23. Foi o suficiente para desestabilizar o Lanús. Impacientes, os argentinos mais reclamaram dos que assustaram até o intervalo.

2º TEMPO

A vantagem colocou a Chapecoense toda atrás da linha da bola. Com ônibus estacionado na frente da área, o Verdão obrigava o Lanús a apelar para as bolas aéreas e chutes de longa distância, que invariavelmente encontravam zagueiros ou Jandrei. O goleiro, por sinal, demonstrou muita segurança.

Tudo parecia surpreendentemente controlado para Chape, até que...pênalti para o Lanús. Após cobrança de escanteio, Wellington Paulista colocou a mão na bola dentro da área. Sand foi para a cobrança. Bola para um lado, goleiro para o outro. A partir daí, o jogo ficou aberto. O Lanús se mandou para garantir a classificação antecipada, e o Verdão para evitar a eliminação. E foi quando os tais Deuses do futebol entraram em ação. Luiz Otávio, logo ele, aproveitou cobrança de lateral para se antecipar o goleiro e decidir: 2 a 1. Pelo menos, no campo.

TOMOU CONTA

Quem voltou a se destacar pela Chapecoense foi Jandrei. De terceiro goleiro a titular no último sábado, contra o Corinthians, ele demonstrou muita segurança sempre que exigido. Foi bem em dois lances a queima roupa e decisivo nas saídas do gol. Belas exibições que cada vez mais o garantem como dono do gol da Chape.