Carregando...

Publicidade

Os equipamentos de bombeamento já foram instalados. Nos próximos dias, o SAAE pretende começar a captar os 50 mil litros por hora. (Foto: Alex Pimentel)

'Quixeramobim' volta a abastecer 30% da cidade.

A barragem armazenou 380 mil m³ de água, o equivalente a 4,77% da capacidade total de 7,8 milhões de m³.

23/05/2017

Quixeramobim. Após dois anos e três meses, a barragem Quixeramobim, como é conhecido o açude no entorno desta cidade, com suas 15 comportas sob a CE-060, voltará a abastecer a cidade. A divulgação foi feita pelo gerente regional da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh), Paulo Ferreira. A decisão foi tomada juntamente com a equipe do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) após analise técnica do aporte hídrico do açude construído pelo Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (Dnocs).

Segundo Paulo Ferreira, com as chuvas da quadra invernosa deste ano a barragem armazenou 380 mil m³ de água, o equivalente a 4,77% da capacidade total de 7,8 milhões de m³. O volume armazenado será suficiente para abastecer os 30% restantes das unidades de consumo pelo período de até cinco meses. Hoje, a adutora de montagem rápida do açude Pedras Brancas, em Banabuiú, atente 11.900 unidades. O restante, 5.100, é abastecido através dos poços profundos perfurados na cidade.

"A água captada da adutora com extensão de 60Km não é suficiente para atender todos os consumidores, daí os poços profundos são conectados à rede, todavia, além da necessidade constante de monitoramento, há também a manutenção, dificultando a operacionalidade", explicou Ferreira acrescentando que esses problemas foram apontados pela direção do SAAE de Quixeramobim. A solução encontrada para aliviar o problema foi a captação de água da barragem.

Pelas contas da Cogerh e do SAAE, para atender as 17 mil unidades de consumo são necessários 280 mil litros de água por hora. A adutora do açude Pedras Brancas fornece 230 mil litros. O restante vem dos 24 poços perfurados nos bairros. Com o trabalho conjunto, a logística planejada reduzirá custos e também a mão de obra para garantir o abastecimento regular, acrescentou o representante da Cogerh, ressaltando ainda haver a possibilidade de chuvas ainda neste mês de maio e até em junho.

A proposta foi apreciada e aprovada na V Reunião Ordinária da Comissão Gestora do Sistema Fogareiro-Quixeramobim, na gerência regional da Cogerh, em Quixeramobim. Os equipamentos de bombeamento já foram instalados. Nos próximos dias o SAAE pretende começar a captar os 50 mil litros por hora necessários para completar o abastecimento regular da rede e normalizar o atendimento nos bairros mais afetados. O Teófilo Neto é um deles. Os moradores são obrigados a armazenarem água em baldes para poderem suprir as necessidades .

O pintor Sérgio Luiz da Silva, morador do bairro Teófilo Neto, confirma os problemas enfrentados com o abastecimento de água. "A água só chega às torneiras duas vezes na semana".

Vigilante

O diretor geral do SAAE, Miguel Fernandes de Souza, e sua equipe, se esforçam para garantir o abastecimento da cidade. Sem água é praticamente impossível. As equipes ficam constantemente vigilantes, principalmente nos pontos dos poços profundos, para evitarem a ação de vândalos e até o furto de motores e da fiação. Muitos servidores do órgão também sofrem com a crise hídrica enfrentada pela cidade, ressalta o gestor do órgão.