Carregando...

Publicidade

(Foto: Reprodução)

Na estreia de Sheik, Lucca garante vitória da Ponte e tira embalo do São Paulo

Tricolor joga desfalcado de Cueva, que usou spray com substâncias proibidas antes da partida, e perde chance de vencer a terceira seguida. Macaca mantém 100% dentro do Moisés Lucarelli

04/06/2017

DEU MACACA

A Ponte Preta deu sequência à sina de tirar pontos de alguns do maiores clubes do país. Depois de empatar com o Atlético-MG em Belo Horizonte, a Macaca contou com o fato de jogar no Moisés Lucarelli para derrotar o São Paulo, que tentava a terceira vitória consecutiva sob o comando de Rogério Ceni. O único gol da partida deste domingo, em Campinas, foi marcado por Lucca, atacante emprestado pelo Corinthians e que, por enquanto, é o principal nome do time do interior. A partida foi válida pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro e marcou a estreia de Emerson Sheik no time da casa.

DESFALQUE DE PESO

Na tentativa de embalar definitivamente no Brasileirão, o São Paulo foi a campo sem um de seus principais jogadores. O meia Cueva foi tirado da partida após o uso de um spray que continha substâncias proibidas - o medicamento foi indicado pelo departamento médico do clube. Com receio de ver o peruano pego no exame antidoping, o Tricolor achou por bem desconvocá-lo. O substituto foi Thomaz, que não conseguiu ajudar o time a conseguir um bom resultado em Campinas.

ESTREANTE DA TARDE

Na Ponte, quem deu as caras pela primeira vez foi Emerson Sheik. Principal reforço da Macaca para o Brasileirão, o atacante entrou no intervalo para dar mais dinâmica ao setor ofensivo. Bem ao seu estilo, ele esquentou uma partida morna com o jeito provocador (discutiu com Rodrigo Caio e Renan Ribeiro) e irreverente com a bola nos pés. No entanto, quem decidiu a parada foi Lucca, ao marcar o quarto gol em quatro rodadas do campeonato. É o vice-artilheiro do torneio, atrás apenas de Henrique, do Fluminense.

A TABELA

Com os resultados de momento, a Ponte pulou cinco posições na tabela e chegou aos sete pontos, mas será ultrapassada por Chapecoense ou Cruzeiro, que se enfrentam ainda neste domingo. O São Paulo fica no meio da tabela, na nona colocação, e desperdiça a chance de vencer pela terceira vez seguida. Antes, havia batido Avaí e Palmeiras, ambos por 2 a 0, no Morumbi. Fora de casa, a equipe de Rogério Ceni acumula duas derrotas (a outra foi para o Cruzeiro).

POUCO À VONTADE

Com a derrota desta tarde, o São Paulo aumenta a sequência negativa contra a Ponte em Campinas. A última vitória tricolor no Majestoso foi em março de 2015, por 2 a 1, pelo Campeonato Paulista. O time era dirigido por Muricy Ramalho, na época. Desde então, perdeu as quatro vezes em que esteve no estádio, todas por 1 a 0.

PRÓXIMOS JOGOS

Ponte e São Paulo não têm muito tempo para descansar após o duelo deste domingo, pois a quinta rodada acontece já no meio de semana. Ambos jogam na quinta-feira, às 19h30: o Tricolor recebe o Vitória, no Morumbi, enquanto a Macaca vai até Goiânia para duelar com o lanterna Atlético-GO.

PRIMEIRO TEMPO

Mesmo fora de casa, o São Paulo fez um primeiro tempo seguro em Campinas. Rogério Ceni usou o mesmo esquema tático que tinha funcionado contra o Palmeiras e viu o mesmo estilo de jogo acontecer. O Tricolor foi perigoso em algumas ocasiões, com avanços de Cícero pelo meio e jogadas de Lucas Pratto e Luiz Araújo, mas não soube convertê-las. Do lado da Ponte, Gilson Kleina posicionou o time em duas linhas de quatro e não deu trabalho algum ao gol de Renan Ribeiro. Só uma finalização perigosa, de Léo Arthur, que saiu à direita.

SEGUNDO TEMPO

A entrada de Emerson Sheik trouxe um caldo para um jogo insosso na primeira etapa. Com ele em campo, a Ponte ganhou motivação e abriu o placar aos cinco minutos, quando Lucca aproveitou espaço entre os zagueiros tricolores e chutou de primeira, na saída de Renan Ribeiro. O lance enervou a torcida da Macaca e motivou o time, que passou a levar mais perigo no ataque. Ceni tentou mudar o estilo do São Paulo, com as entradas de Gilberto no lugar de Thomaz e de Bruno na vaga de Lucão. O máximo que o time conseguiu foi forçar Aranha a uma defesa, em chute de Pratto da entrada da área. A partir dos 15 minutos finais, a Ponte fechou a defesa e garantiu o resultado sem sofrer tantos riscos.