Carregando...

Publicidade

Camilo Santana afirmou, em visita ao Diário do Nordeste, que o projeto está no Ministério da Justiça para avaliação. Em seguida, seguirá para licitação. (Foto: Reprodução)

Presídio de segurança máxima será construído.

21/06/2017

Diante da crise instalada no Sistema Penitenciário cearense, com a recorrência de rebeliões, fugas e descobertas de túneis, o governador Camilo Santana anunciou um projeto para a criação de um presídio de segurança máxima estadual no Ceará. "Tomei a decisão de construir um presídio de segurança máxima estadual. Não vai ser federal. O projeto está lá no Ministério da Justiça, para avaliação, para eu começar a licitação. A minha decisão é que vou fazer o presídio para garantir mais tranquilidade para os nossos presos aqui no Estado do Ceará", revelou o governante, durante um bate-papo ao vivo com a população na rede social Facebook, ontem, sem divulgar detalhes da iniciativa.

O projeto foi antecipado pelo Diário do Nordeste, em reportagem sobre os veículos apreendidos pela Polícia Federal (PF) que passarão por uma alienação antecipada. O dinheiro conseguido com o leilão destes veículos poderá ser destinado à construção da penitenciária de segurança máxima estadual. Na ocasião, a titular da Secretaria da Justiça e Cidadania do Estado (Sejus), Socorro França, afirmou sobre projeto em andamento. "O Governo do Estado tem um projeto para a construção de uma penitenciária de segurança máxima para 120 detentos, que já foi encaminhado ao Departamento Penitenciário Nacional (Depen)", completou a secretária.

Se o projeto for concretizado, será a primeira penitenciária de alta segurança do Ceará. A Penitenciária Francisco Hélio Viana de Araújo, inaugurada no município de Pacatuba, em 2011, tinha o projeto de ser uma unidade de segurança máxima, mas não seguiu critérios para receber a classificação e ficou como penitenciária de segurança média.

Nova fuga

Enquanto a nova prisão não sai do papel, as unidades instaladas na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) e no Interior do Estado seguem com o registro de fugas e motins. Ontem, a Sejus registrou uma nova fuga de presos da Casa de Privação Provisória de Liberdade Professor José Jucá Neto (CPPL III), no Complexo Penitenciário de Itaitinga II, durante a madrugada. O número de detentos que deixaram a unidade ainda não foi divulgado pela Secretaria.

De acordo com uma fonte da Sejus, que preferiu não se identificar, a evasão aconteceu por volta das 4h, na vivência 'F', através de um túnel. Segundo o servidor, pelo menos, cinco internos fugiram. A unidade é responsável por abrigar membros da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC).

Outra fonte ouvida pela reportagem relatou que um detento da Casa de Privação Provisória de Liberdade Agente Elias Alves da Silva (CPPL IV) morreu, durante o dia de ontem. Segundo as informações iniciais, há indícios que a morte tenha sido por causas naturais. Entretanto, a Sejus negou a informação de que teria acontecido uma morte no Complexo de Itaitinga.

Os registros de fugas têm sido constantes nos Complexos Penitenciários de Itaitinga. Somente neste ano, já foram sete ocorrências, sendo seis na CPPL III e uma na Unidade Prisional Agente Luciano Andrade Lima (antiga CPPL I). Até ontem, 95 presos já haviam fugido.

Em visita à redação do Diário do Nordeste, acontecida ontem, o governador Camilo Santana afirmou que as recorrentes fugas são motivadas pela superlotação do Sistema Penitenciário.

Segundo o chefe do Executivo Estadual, a população carcerária está em cerca de 26 mil detentos. "Eu tenho feito um trabalho muito grande com o Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE), com o novo presidente, para fazer uma força-tarefa e verificar a situação dos presos provisórios. O que está acontecendo hoje é uma superlotação. Nós temos a responsabilidade de guardar o preso. Quem tem o poder de julgar, colocar lá dentro e tirar é a Justiça", afirmou.