Carregando...

Publicidade

(Foto: Reprodução)

Palmeiras cede à pressão, leva gol no fim e perde do Barcelona no Equador

Barcelona superou defesa do Palmeiras no fim e largou em vantagem no duelo

05/07/2017

Um gol no fim impediu o Palmeiras de retornar do Equador com um resultado satisfatório. Com um arremate certeiro de Jonatan Álvez nos acréscimos, o Barcelona-EQU derrotou o atual campeão brasileiro por 1 a 0, no Estádio Monumental, em Guayaquil, e largou em vantagem no confronto válido pelas oitavas de final da Copa Libertadores da América. A volta está marcada para 9 de agosto, no Allianz Parque.

O resultado negativo no Equador, fruto de um chute despretensioso do camisa 9 rival e de um segundo tempo abaixo da crítica, obriga o Palmeiras a vencer por dois gols de diferença o confronto da volta para manter-se vivo na disputa da Libertadores, a grande "obsessão" do clube na temporada. O placar favorável de 1 a 0 força a definição da vaga nos pênaltis.

O gol nos minutos finais deixa o Barcelona em situação mais confortável em comparação ao empate até então desenhado - o 0 a 0 se manteve até os 47min da etapa final. Qualquer empate daqui a um mês assegura a passagem dos equatorianos para as quartas de final. Derrota por desvantagem de um gol, desde que balancem as redes pelo menos uma vez no Allianz, classifica o clube de Guayaquil.

Antes de se preocupar novamente com a Copa Libertadores da América, o time alviverde se concentra na aproximação da liderança no Campeonato Brasileiro. No domingo, a partir das 16h (de Brasília), o Palmeiras encara o Cruzeiro, no Mineirão. Na próxima quarta, Cuca e companhia terão pela frente o clássico contra o líder Corinthians, no Allianz Parque.

Quem foi bem: Luan

Contratado recentemente pelo Palmeiras, Luan exibiu-se em grande forma no Equador. O zagueiro mostrou um entrosamento inesperado com Yerry Mina, pelas poucas partidas nas quais atuaram juntos, e ainda aplicou um carrinho providencial em Alvez na etapa final, em lance de perigo da equipe equatoriana, que cresceu de rendimento na parte derradeira do confronto. No fim, com um chute despretensioso, o Barcelona chegou à vitória.

Quem foi mal: Miguel Borja

O centroavante colombiano destoou do restante do time em Guayaquil. Mesmo nos melhores momentos do Palmeiras no Estádio Monumental, Borja se apresentava em um nível abaixo dos companheiros. O camisa 12 pouco participou do jogo, ao contrário de nomes como Dudu, Róger Guedes (entrou na segunda etapa) e, principalmente, Willian. Saiu restando pouco mais de 10min para o fim do jogo; Keno entrou.

Força, Guerra

O confronto da noite ficou em segundo plano por um drama envolvendo o venezuelano Alejandro Guerra. Um dos grandes destaques do Palmeiras sob o comando de Cuca, o meia deixou a concentração em Guayaquil após receber a notícia do acidente doméstico com o filho Assael, de apenas três anos. O camisa 18 acabou liberado pelo clube para voltar ao Brasil e acompanhar a internação do garoto, grande xodó do atleta nas redes-sociais.

Barcelona insiste pelas laterais

Diante de um ambiente favorável e necessitado de um bom resultado dentro de casa, o Barcelona procurou propor o jogo, mas esbarrou nas próprias limitações. A principal alternativa da equipe equatoriana apontava para a insistência pelas laterais, especialmente pelo lado direito, após a entrada de Valencia. A pressão esperada pelo Palmeiras veio apenas no segundo tempo, com o time da casa mais agressivo e, principalmente, perigoso. Fernando Prass, por exemplo, fez grande defesa no início da etapa final.

Palmeiras "frio" sofre castigo no fim

Viu-se um Palmeiras bem cauteloso em Guayaquil. Diante do Barcelona, a equipe priorizou a segurança defensiva com a presença de três zagueiros na primeira linha de defesa (Luan, Mina e Juninho); com a bola nos pés, mistura de tranquilidade para manter a posse e velocidade no contra-ataque. Na base da rapidez saiu, por exemplo, a primeira jogada de perigo com Willian, aos 20min – o goleiro Banguera evitou o gol. No fim, com um segundo tempo ruim, o atual campeão nacional acabou castigado: o chute de fora da área de Alvez passou por dois palmeirenses e entrou no canto esquerdo de Fernando Prass.

Cuca volta a apostar em Borja

Maior investimento do Palmeiras para a temporada [R$ 35 milhões], Miguel Borja recebeu uma nova chance como titular na noite desta quarta-feira. Tratado como alternativa a Willian por Cuca nas últimas semanas – foi titular contra o Grêmio, no sábado, quando o treinador escalou a maioria de reservas -, o colombiano foi escalado desde o início como a referência ofensiva da equipe brasileira. Em campo, novamente, o destaque da Libertadores do ano passado pouco produziu.

Estreantes

Cuca não hesitou em promover estreias logo no mata-mata da Libertadores. Os recém-contratados Juninho, Luan e Bruno Henrique entraram como titulares em seus primeiros jogos pela competição sul-americana neste ano - os dois primeiros, inclusive, jamais haviam atuado no maior torneio continental. Juninho atuou como lateral esquerdo e enfrentou dificuldades depois da entrada de Valencia; Luan ocupou a vaga de Edu Dracena e se destacou, enquanto Bruno Henrique entrou no meio-campo ao lado de Thiago Santos e Zé Roberto.