Carregando...

Publicidade

(Foto: Reprodução)

Reforma Trabalhista vai à sanção hoje.

13/07/2017

Brasília. O presidente Michel Temer fará hoje, às 15h, uma cerimônia no Palácio do Planalto para sancionar a Reforma Trabalhista aprovada na terça-feira (11), pelo Senado por 50 votos a 26. Segundo um auxiliar do presidente, a sanção contará com os vetos "já acordados" entre o governo e os senadores.

A mudança de pontos da reforma foi costurada diretamente pelo líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), para tentar diminuir a resistência ao texto entre senadores da própria base governista.

Senadores da base e da oposição cobraram, ontem, que o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), cumpra o acordo feito pelo presidente da República de fazer ajustes no projeto.

Na reunião da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado destinada à sabatina da subprocuradora Raquel Dodge, indicada por Temer para comandar a Procuradoria-Geral da República, a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) apresentou requerimento para que o senador Edison Lobão (PMDB-MA) cobre Maia a cumprir o acordo. Durante a análise da reforma na comissão, o líder do governo, Romero Jucá (PMDB-RR), chegou a ler uma carta de Temer na qual o presidente se comprometia com as mudanças.

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), afirmou, ontem, que não participou de qualquer negociação sobre a Medida Provisória (MP) para alterar o projeto.

O senador cearense disse, inclusive, que desconhece o texto aprovado na terça-feira.

O clima de tensão que dominou o Senado na sessão de terça-feira, por causa da votação da Reforma Trabalhista, continuou, ontem.

Durante uma discussão mais ríspida no plenário da Casa, os senadores Ivo Cassol (PP-RO) e Paulo Rocha (PT-PA) quase trocaram agressões.

O presidente do Conselho de Ética do Senado, senador João Alberto Souza (PMDB-MA), aceitou, ontem, a abertura de processo disciplinar contra as seis senadoras da oposição que ocuparam a mesa do plenário em protesto contra votação. Segundo o presidente do conselho, há indícios de quebra de decoro.