Carregando...

Publicidade

Romero Jucá (PMDB-RR) disse que peemedebistas podem ser afastados em caso de desobediência. (Foto: ABR)

IMPEACHMENT: Quatro siglas fecham votos pró-presidente.

13/07/2017

Brasília. Quatro partidos da base governista fecharam apoio à derrubada da denúncia contra Michel Temer e determinaram que os 185 deputados de suas bancadas votem a favor do presidente na Câmara. O número seria suficiente para barrar a abertura de um processo.

PMDB, PP, PR e PSD aprovaram o fechamento de questão a favor de Temer, o que, em tese, obriga seus parlamentares a votarem de acordo com a orientação da cúpula partidária.

O presidente precisa do apoio de 172 deputados no plenário para que a denúncia seja rejeitada, e as bancadas dessas siglas superam esse número.

O governo articulou essas decisões para tentar estimular a presença dos parlamentares da base aliada no plenário na sexta-feira (14), quando o Palácio do Planalto gostaria de votar a denúncia em plenário.

O quorum nessa data é considerado incerto, uma vez que as sextas-feiras são tradicionalmente esvaziadas na Câmara.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já indicou a aliados que só deve abrir a votação se houver pelo menos 342 deputados no plenário.

A oposição não pretende marcar presença até que esse quorum seja atingido, a fim de provocar o adiamento do processo e prolongar o desgaste de Temer.

Apesar do movimento em bloco a favor do presidente, as lideranças desses partidos devem enfrentar traições, devido a divisões internas e ao posicionamento de alguns parlamentares pela aprovação da denúncia.

Segundo o líder do governo no Senado, senador Romero Jucá (PMDB-RR), os membros do PMDB que não acompanharem o partido poderão responder no Conselho de Ética e serem afastados de suas funções partidárias por até 90 dias.

O caso mais emblemático é o do deputado Sérgio Zveiter (RJ), que é do PMDB de Temer, mas apresentou um parecer em que recomenda que a Câmara aprove o prosseguimento da denúncia contra o presidente. O futuro dele no partido é incerto.

O chamado fechamento de questão também deve ter efeitos pouco objetivos para a maior parte dos parlamentares dessas siglas. Apenas o PMDB fixou o afastamento dos deputados que descumprirem a orientação do partido. As outras três legendas afirmam que qualquer punição só será definida depois da votação.