Carregando...

Publicidade

Até o último dia 27, aconteceram 17 duplos homicídios no Ceará, de acordo com dados da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social. (Foto: José Leomar)

Fevereiro: Índice de mortes sobe 30% no Ceará.

01/03/2018

Fevereiro de 2018 terminou com, pelo menos, 345 homicídios no Ceará. Comparado a igual período de 2017, o índice de Crimes Violentos Letais e Intencionais (CVLIs) aumentou, cerca de, 30%. O número também é superior aos registrados nos meses de fevereiro dos anos de 2015 e 2016.

O levantamento parcial, baseado em relatórios diários da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) aponta que, no mês que findou, morreram, em média, 12 pessoas por dia no Ceará. O total de assassinatos tende a aumentar quando a Pasta divulgar o balanço final, incluindo as vítimas que foram socorridas no local do crime, mas acabaram morrendo nas unidades de saúde.

Uma das últimas mortes registradas, no último mês, foi a do artesão Antônio Gieldo Gonçalves de Oliveira. O homem, de 30 anos, foi assassinado, ontem, quando trabalhava em uma loja de artesanato, na Sabiaguaba.

As investigações preliminares dão conta que o único alvo da ação era a vítima. De acordo com levantamento da Polícia Civil, Oliveira não vinha recebendo ameaças e não era usuário de drogas. Nenhum objeto do estabelecimento foi levado. Até o fechamento desta edição, a motivação para o crime permanecia desconhecida e nenhum dos dois criminosos envolvidos no caso tinham sido capturados.

Múltiplas

Apesar de no mês de fevereiro não ter sido registrada nenhuma chacina no Ceará, os casos de morte com mais de uma vítima foram recorrentes. Até o último dia 27, aconteceram 17 duplos homicídios. As execuções aconteceram em diversas regiões do Estado, principalmente, em municípios do Interior do Estado e da Região Metropolitana.

O duplo homicídio que mais chamou atenção, devido às identidades das vítimas, aconteceu na reserva indígena Jenipapo-Kanindé, em Aquiraz. Rogério Jeremias de Simone, o ‘Gegê do Mangue’; e Fabiano Alves de Souza, o ‘Paca’, os maiores líderes da facção Primeiro Comando da Capital (PCC), em liberdade, foram vítimas de um atentado, com o uso de um helicóptero. Até ontem, nenhum envolvido havia sido foi localizado.



Total de acessos: 235416

Visitantes online: 4