Carregando...

Publicidade

Ex-presidente da República disse ter a expectativa de ser inocentado por outro crime do qual é acusado, envolvendo o tríplex no Guarujá. (Foto: AFP)

Volta a juiz original: TRF1 recua em ação contra Lula.

Caso de suposto tráfico de influência em compra de caças de defesa vai continuar na 10ª Vara da Justiça Federal no DF.

02/03/2018

Brasília/São Paulo. O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) recuou parcialmente de decisão que mandava redistribuir parte dos processos criminais em curso na 10ª Vara da Justiça Federal em Brasília.

Entre eles, há ações penais contra políticos importantes, acusados de corrupção, lavagem de dinheiro, organização criminosa e tráfico de influência.

O conselho de administração da Corte decidiu, ontem, que não mudarão de vara os casos mais avançados, que já tenham audiências e/ou interrogatórios realizados. Esse grupo inclui ação que apura se o ex-presidente Lula vendeu prestígio a lobistas com a promessa de viabilizar a compra de caças de defesa e a edição de uma medida provisória pelo governo da sucessora, Dilma Rousseff.

Tríplex

Enquanto aguarda a decisão final da Justiça se será ou não impedido de disputar a eleição presidencial em outubro, Lula não quer discutir uma candidatura alternativa à sua na corrida presidencial deste ano, sob alegação de que isso daria como fato consumado que ele estaria fora do páreo. Sua disposição é brigar até o fim.

Entrevista polêmica

Lula disse, em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, que está preparado para ser preso, mas acredita que será inocentado.

“Acredito na democracia, eu acredito na Justiça. E acredito que essas pessoas, o juiz Sérgio Moro e os desembargadores, mereciam ser exoneradas a bem do serviço público”, disse o petista.

Lula afirmou esperar que o STF –que deverá julgar o habeas corpus no qual sua defesa pede para ele não ser preso– analise o processo, depoimentos e provas e tome uma decisão.

“Por isso tenho a crença de que vou ser candidato”, frisou.

Ele lamentou a postura de seu ex-ministro Antonio Palocci, hoje preso, e que no ano passado, em depoimento ao juiz Sérgio Moro, citou um “pacto de sangue” entre Lula e a Odebrecht que tinha o foco em um pacote de propinas de cerca de US$ 1 milhão. “O Palocci demonstrou gostar de dinheiro”.

Já o pré-candidato à Presidência Ciro Gomes (PDT) comentou a fala de Lula de que ele ou vai para a direita ou não pode brigar com o PT.

“É a velha história de repartir o país entre coxinhas e mortadelas”, disse Ciro.



Total de acessos: 237973

Visitantes online: 18