Carregando...

Publicidade

Alimentação fora do lar: maior desafio é manter os mais altos padrões de higiene, protegendo os funcionários e os clientes do risco de infecção. (Foto: Divulgação)

Manter altos padrões de higiene é o grande desafio dos negócios de alimentação fora do lar

Para esse público, o Sebrae-CE disponibiliza três protocolos de reabertura específicos.

Fonte: Diário do Nordeste
08/07/2020

O ramo de alimentação fora do lar é um dos 47 segmentos empresariais contemplados pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-CE) com recomendações específicas para o retorno gradativo das atividades presenciais. As orientações estão reunidas em três protocolos de reabertura elaborados pelo Projeto Revita, iniciativa do Sebrae-CE para apoiar os pequenos empreendedores cearenses na retomada das atividades econômicas.

"O maior desafio é manter os mais altos padrões de higiene, protegendo os funcionários e os clientes do risco de infecção, mantendo o distanciamento físico ao lidar com grande número de clientes, além de abrir os estabelecimentos e garantir o fornecimento adequado de alimentos diariamente e, assim, conquistar a confiança dos clientes cada vez mais exigentes", expressa Juniar Ellyan, analista e gestora estadual do Turismo do Sebrae-CE.

Envolvidos 
O segmento de alimentação fora do lar é composto por negócios como restaurantes, bares, food trucks, padarias, lanchonetes, pizzarias, barracas de praia, vendedores de cachorro-quente, churrasquinhos, doces e frutas, entre outros. Neste site, há o protocolo de reabertura para bares, restaurantes e lanchonetes, para micro empreendedor individual (MEI) de alimentação e para panificadoras e confeitarias.

"O primeiro passo é o empresário procurar estudar a fundo o protocolo e todas as medidas e decretos estaduais. Em seguida, capacitar seu quadro de funcionários para que todos possam utilizar as medidas tanto internamente como também para atender aos clientes de forma correta. O ambiente deverá ser adequado de acordo com as regras apresentadas nos protocolos”, comenta Juniar Ellyan. 

“Foco na segurança das pessoas - é preciso redobrar os cuidados com a higiene nas relações com colaborador, fornecedores e clientes. Caso seja detectada a presença de alguém infectado, os cuidados envolvem encaminhá-lo para casa ou para atendimento, conforme orientação médica”, frisa Juniar Ellyan.

Atenção 
Dentro dos protocolos de reabertura mencionados, a analista e gestora estadual do Turismo do Sebrae-CE destaca, primeiramente, muita atenção às regras previstas em Decretos Estaduais e nas instituições reguladoras oficiais, atenção às portarias da Secretaria de Saúde Estadual e aos atos das autoridades municipais competentes.

Ela pontua a importância de acompanhar diariamente as atualizações voltadas ao segmento de alimentação e implementar somente aquilo que estiver oficialmente estabelecido. “Foco na segurança das pessoas - é preciso redobrar os cuidados com a higiene nas relações com colaborador, fornecedores e clientes. Caso seja detectada a presença de alguém infectado, os cuidados envolvem encaminhá-lo para casa ou para atendimento, conforme orientação médica”, frisa Juniar Ellyan.

Ela ressalta a questão de higiene e saúde, a exemplo de lavar as mãos frequentemente com água e sabão bactericida, ou água e sabão finalizando com álcool 70% ou, ainda, limpá-las com álcool em gel, cobrir a boca quando tossir ou espirrar; e evitar tocar nos olhos, na boca e no nariz.

Em qualquer dos estabelecimentos de alimentação fora do lar é preciso garantir que o empresário ou funcionário possa adotar integralmente todos os procedimentos de boas práticas e que estas contemplem atividades de higiene que são imprescindíveis na prevenção da covid-19, alerta Juniar Ellyan. “Saúde e higiene sempre foram pontos de atenção para quem trabalha no ramo de alimentação. Evitar contaminação, seja química, física ou biológica, é prática do dia-a-dia nesses negócios. Assim, é preciso redobrar os cuidados nas relações com colaborador, fornecedores e clientes”, detalha a profissional.

Caso existam pontos a serem implementados ou melhorados, é importante que o cliente converse com o empresário no sentido de sugerir melhorias. O empresário, por sua vez, deverá ficar atento a esse checklist, porque se o cliente não se sentir seguro, vai divulgar negativamente o estabelecimento.

Divulgação
O site que disponibiliza os protocolos de reabertura apresenta ainda materiais de ambientação para os estabelecimentos. Segundo a gestora estadual do Turismo do Sebrae-CE, não basta adotar corretamente as medidas. “É importante comunicar aos clientes que o estabelecimento é comprometido com as boas práticas e com a segurança, para que eles se sintam seguros. E essa comunicação pode acontecer de diversas formas, desde a afixação de placas sinalizadoras no ambiente, como também a utilização das redes sociais, que possuem uma abrangência muito maior”, aponta.

Outra ideia para isso é baixar, imprimir, preencher e expor à visualização o checklist para retomada segura das atividades. Esse documento é uma opção para que o próprio cliente faça uma avaliação se o estabelecimento está cumprindo todas as regras de higiene e segurança. Caso existam pontos a serem implementados ou melhorados, é importante que o cliente converse com o empresário no sentido de sugerir melhorias. O empresário, por sua vez, deverá ficar atento a esse checklist, porque se o cliente não se sentir seguro, vai divulgar negativamente o estabelecimento para outras pessoas, avalia Juniar Ellyan.

“Recomenda-se que o checklist seja afixado no local ou disponibilizado na internet, para evitar que as pessoas façam manipulação de papel e provoque a contaminação”, lembra a gestora. Por fim, após se informar de todos os protocolos, o empresário pode realizar a inscrição em curso online e fazer prova para adquirir o certificado digital.

Outras medidas que a gestora do Sebrae-CE reforça: 
- Distanciamento físico: manter a distância mínima de 1,5 metros entre uma pessoa e outra;

- Usar corretamente os EPIs (equipamentos de proteção individual): máscaras, redes de proteção para cabelos, luvas descartáveis, macacões limpos e sapatos de trabalho antiderrapantes;  

- Se for utilizar luvas, essas devem ser trocadas com frequência, e as mãos devem ser lavadas entre a troca das luvas e quando estas são removidas;  

- Se tiver um ponto de atendimento, regule o número de clientes que entram no estabelecimento para evitar aglomerações;  

- O ambiente deverá ter boa ventilação, evitando o uso de ar-condicionado;  

- Aperfeiçoar as rotinas de limpeza dos ambientes e dos instrumentos de trabalho;

- Manter o cuidado redobrado com a higiene e a limpeza na manipulação de alimentos;  

- Ficar atento às regras de recebimento e armazenamento adequado das mercadorias;  

- Observar as regras estabelecidas com relação a volume e destino dos resíduos;   

- Para comida de rua, isolar o ambiente em que a comida é oferecida, por exemplo, com uma placa de acrílico, para proteger o MEI ou possível funcionário e o cliente. Alguns cuidados são: bandejas, pratos, talheres, guardanapos e copos devem estar protegidos; coloque dispensador com álcool 70%. e proteja adequadamente os equipamentos.

Contato 
O empreendedor poderá acessar o Sebrae por meio dos diversos canais disponíveis e conversar com a equipe de especialistas através de chat, e-mail, whatsapp ou central de relacionamento.

Atendimento presencial (rede de atendimento do Sebrae)
Atendimento remoto: 
Portal: www.ce.sebrae.com.br  
Converse online (chat e e-mail) acessando o portal;
Central de relacionamento 0800.570.0800; 
Whatsapp (85) 98139.0634;
Redes sociais: 
Facebook: http://facebook.com/SebraeCeara   
Instagram: http://instagram.com/sebraece   
YouTube: http://youtube.com/portalsebraenoceara   
Linkedin: http://linkedin.com/company/sebraece   
Twitter: http://twitter.com/CESebrae 

(Foto: Reprodução)


Total de acessos: 314856

Visitantes online: 2