Carregando...

Publicidade

Enquanto o impasse não e resolvido, a Federação Cearense de Futebol (FCF) segue no cronograma de organização das partidas. (Foto: Kid Júnior)

Campeonato Cearense: Audiência define hoje impasse sobre última rodada.

21/03/2018

A novela do adiamento, ou não, da última rodada da 2ª fase do Campeonato Cearense pode ter seu último capítulo na manhã desta quarta-feira, 21. Isto porque os Clubes (Ferroviário e Ceará), Sindicato dos Atletas de futebol do Estado do Ceará (Safece) e Federação Cearense de Futebol (FCF) participarão de uma audiência, às 10h15, na sede do Ministério Público do Trabalho, em Fortaleza, para solucionar o episódio.

Nessa terça, o Tricolor do Pici, que não é a favor do adiamento, conseguiu uma vitória na Justiça Desportiva. O clube leonino requereu, no Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol do Ceará (TJDF-CE), que a FCF não adiasse as partidas.

O pedido foi aceito pelo presidente do TJDF/CE, Frederico Bandeira Fernandes, que decidiu, liminarmente, que a FCF "se abstenha de alterar a quinta rodada da 2ª fase do Campeonato Cearense".

Para sustentar a decisão que impede o adiamento da rodada, o presidente do TJDF afirmou que "o intervalo regulamentar entre partidas é aplicável aos atletas profissionais, e não às agremiações. Desta forma, inexiste, também, qualquer vedação para que um clube jogue duas partidas em menos de 66 horas desde que não se utilize dos mesmos jogadores da partida anterior".

Petição

A Safece, no entanto, entrou com uma petição, junto ao MPT, reivindicando a mudança das partidas de quinta, 22, do Ferroviário e do Ceará, a pedido dos próprios jogadores, que de acordo com o sindicato, estão sobrecarregados fisicamente, devido à maratona de jogos.

"Trabalhamos muito para defender os interesses, os direitos dos atletas que são trabalhadores, que usam seus corpos como instrumento de trabalho e estes mesmos corpos tem seus limites físicos. Por isso entendemos, com base em estudos científicos elaborados a nosso pedido, pelo Dr. Ricardo Lima e do Dr. Lucas Oaks, que atestam, que jogos sem o espaço mínimo de 66 horas entre partidas, pode trazer sérios danos para a integridade destes atletas", disse o presidente da Safece, Marcos Gaúcho.

Enquanto o impasse não e resolvido, a Federação Cearense de Futebol (FCF) segue no cronograma de organização das partidas.



Total de acessos: 237874

Visitantes online: 8