Carregando...

Publicidade

Na comunidade de Vila Kennedy, as forças federais que atuam na Segurança Pública do Rio de Janeiro patrulharam vias e cadastraram moradores. (Foto: AFP)

R$ 2 Bi Bloqueados no Orçamento: Governo separa R$ 1 bilhão para intervenção no RJ.

23/03/2018

Brasília/Rio de Janeiro. O governo decidiu bloquear mais R$ 2 bilhões do Orçamento deste ano, em razão da retirada de importantes receitas de sua previsão. Com o bloqueio anterior, anunciado em fevereiro (R$ 16,2 bilhões), as despesas congeladas somam agora R$ 18,2 bilhões. Parte deste bloqueio, porém, deverá ser liberado nos próximos meses. Segundo o Ministério do Planejamento, R$ 6,6 bilhões serão alvo de realocamento entre as pastas e só estão sendo segurados até que as edições dos créditos sejam concluídas.

Destes R$ 6,6 bilhões sairá a quantia que vai irrigar o recém-criado Ministério da Segurança Pública. Segundo George Soares, secretário do Orçamento federal, a cifra exata ainda não foi definida. Como o Ministério da Segurança não estava no Orçamento, poderá ser necessária a edição de um projeto de lei para aprovar a inclusão de novas despesas com a pasta.

Já as atividades que já existiam mas estavam sob o guarda-chuva do Ministério da Justiça poderão ser irrigadas com portarias. Esta é a análise atual dentro da área técnica do governo.

O bloqueio também foi necessário para dar conta do gasto extra com a intervenção federal no Rio, no valor de R$ 1 bilhão.

Segundo o Planejamento, o governo vai retirar recursos de outras pastas (não mencionou quais) para bancar o crédito extraordinário para a intervenção. Neste momento, a pasta aguarda o detalhamento das despesas e a justificativa técnica, pela Presidência da República, para elaborar o texto da medida provisória que será editada para liberar R$ 1 bilhão ao Rio.

"Tudo está ocorrendo o mais rápido possível, mas depende de alguns fatores. Eu imagino no início da semana que vem", disse Soares. A tentativa de usar os recursos da reoneração da folha de pagamentos para a segurança aparentemente foi abandonada. A reversão da política de desoneração, que beneficia 56 setores, tramita na Câmara.

Ontem, a intervenção federal no Rio entrou em uma nova fase. O Exército estendeu sua atuação para fora do entorno da capital fluminense e faz uma operação desde as primeiras horas do dia na cidade turística de Angra dos Reis, no sul do estado.

A ofensiva das Forças Armadas nos municípios distantes da capital foi revelada pela Folha no início do mês. Angra foi a primeira escolhida por causa do crescimento da violência.

Os militares ainda pretendem chegar às cidades de Paraty, no litoral, e em Campos e Macaé, no norte. Essas áreas são consideradas importantes porque foram justamente os locais para onde o tráfico de drogas expandiu seus territórios em reação ao projeto das UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora), que ocupou favelas na capital anos atrás.



Total de acessos: 237996

Visitantes online: 6