Carregando...

Publicidade

(Foto: Reprodução/Diário do Nordeste)

Estrada de Ferro de Sobral foi marco no desenvolvimento.

24/03/2018

Numa época em que o transporte de passageiros e cargas dependia de tração animal e das condições climáticas, em longos e exaustivos percursos, a chegada do trem teve um grande impacto, gerando desenvolvimento por onde passava. No Ceará do fim do século XIX não foi diferente.

Com a Estrada de Ferro de Baturité, partindo de Fortaleza, foi dado o primeiro passo. Após a sua incorporação pelo Império, veio o prolongamento até Crato e a criação da Estrada de Ferro de Sobral.

Essa incursão pelo Norte do Estado começou no então promissor Porto de Camocim, por onde, em 1880, chegaram as primeiras locomotivas e vagões, e seguiu em direção à já desenvolvida Sobral. O impulso era tamanho que a cada estação o povoado ia se emancipando dos municípios de origem. Camocim mesmo logo se desligou de Granja.

Em 1910, a inglesa The South American Railway Construction Limited assumiu a construção e operação da Ferrovia, que dois anos depois chegou a Crateús, última parada antes de alcançar o Piauí.

Foram tempos de tanta felicidade e fartura que os moradores de Ipu, por exemplo, se uniram para evitar que o maior símbolo dessa época, o prédio de arquitetura neoclássica inglesa da Estação Ferroviária, se perdesse no tempo.

Em 1950, porém, ao mesmo tempo em que o governo brasileiro investia fortemente em rodovias, com a chegada da indústria automobilística ao País, houve a ligação de Sobral a Fortaleza, via Itapipoca, e o Ramal Sobral-Camocim passou a definhar porque não era mais necessário o Porto de Camocim para escoar os produtos. De Sobral, seguia para Fortaleza. Aquela que foi a primeira Estação da Estrada de Ferro de Sobral viu seu último trem de passageiros em 1977.

Hoje, o transporte de passageiros ainda é realidade no Estado, embora seja para poucos. São duas linhas de metrô partindo de Fortaleza para Caucaia e Pacatuba, o VLT de Fortaleza, que, por enquanto liga apenas Mucuripe e Parangaba, em operação assistida; e os metrôs do Cariri (Crato-Juazeiro do Norte) e Sobral.

Por outro lado, as cargas seguem pelos trilhos do Ceará, que hoje ligam os portos do Mucuripe, Pecém e Itaqui, no Maranhão, pela Ferrovia Transnordestina Logística (FTL). Já as obras para alcançar o Porto de Suape, em Pernambuco, seguem a cargo da Transnordestina Logística Sociedade Anônima (TLSA). É disso que trata o DOC Ceará sobre trilhos pela Linha Norte.



Total de acessos: 239607

Visitantes online: 1