Carregando...

Publicidade

Neto e Jonathas são alguns dos radioamadores cadastrados em atuação no Estado do Ceará. (Foto: Alex Pimentel)

Atividade se Mantém: Radioamadores se unem em situações de emergência.

No apagão de março, essa rede especial de comunicação, em várias localidades do Interior, começou a atuar.

07/04/2018

Quixadá. O último apagão, registrado em 12 estados do Norte e Nordeste do Brasil, no fim de março passado, foi um exemplo. As tecnologias de ponta, como a telefonia celular, a internet, simplesmente sumiram. Nesse momento, uma rede especial de comunicação, entre várias localidades do Interior do Ceará, começou a atuar. Eram os radioamadores, procurando prestar assistência à população por meio das ondas analógicas de rádio.

Felizmente, a falta de energia elétrica não demorou mais de duas horas, mas se estendendo o problema, eles poderiam auxiliar também os órgãos de segurança e os serviços emergenciais, inclusive a Defesa Civil.

Esses comunicadores são membros da Rede Nacional de Emergência de Radioamadores (Rener). A entidade foi criada pela Portaria do Ministério da Integração Nacional, em 24 de outubro de 2001, com o objetivo de suprir os meios de comunicações usuais, quando os mesmos não puderem ser acionados, em razão de desastre, situação de emergência ou estado de calamidade pública.

Atender às necessidades

O coordenador da Rener no Ceará é o servidor público Fábio Portela. Além da conversa diária com os amigos, ele dedica o seu tempo disponível a organizar e articular os colegas quando alguma dessas necessidades emergenciais surge. No Estado, 120 deles já integram essa Rede, e se comunicam com o auxílio de repetidoras de VHF (principalmente), instaladas por eles, com recursos próprios. A maioria dos radioamadores está concentrada na Capital e no Cariri, mas a cada dia estão surgindo novos adeptos em outras regiões.

O radialista Jonathas Oliveira é um deles. Ele mora na cidade de Choró, que fica a pouco mais de 20 quilômetros de Quixadá, no Sertão Central do Ceará. Apaixonado pela comunicação, foi incentivado por um amigo a aderir ao grupo de radioamadores do Estado.

Os preços dos equipamentos atualmente estão mais acessíveis e não há burocracia para se regularizar junto à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Em pouco mais de um mês, ele já havia adquirido o seu prefixo de chamada. Desde então, se comunica diariamente com os colegas de todo o Ceará e de outros estados.

Apesar de não muito conhecida por grande parte da população, e praticamente desconhecida pela nova geração, a das mensagens virtuais pelo celular, o radioamadorismo tem uma legião de seguidores no Ceará. Existem atualmente três mil atuantes no Estado. Unidos e organizados, se comunicam inclusive com outros países. As conversas, recheadas de códigos de linguagem e um alfabeto especial, incluindo números, específicos para esse fim, são variadas, podendo ir de apenas passatempo à solidariedade, acrescenta Valmir Freire, um dos mais experientes do grupo.

O radioamador, ao longo dos tempos e no mundo todo, tem demonstrado a importância das comunicações, quando chamado para ajudar em situações nas quais o seu serviço humanitário e voluntário seja colocado à disposição das autoridades e em benefício da população.

Integrados com as autoridades competentes, sempre disponíveis e operantes, nas situações de terremotos, inundações, desabamentos, deslizamentos, incêndios florestais, epidemias, furacões, secas, busca e salvamento de aeronaves e embarcações e outras, podem auxiliar significativamente, explica Daniel de Queiroz, presidente da Liga de Amadores Brasileiros de Rádio Emissão (Labre) no Ceará.

O que é necessário

Para se tornar um radioamador, necessita-se aprovação em uma seleção realizada pela Agência de Telecomunicações (Anatel). Após a aprovação, o radioamador pode se filiar à instituição que representa a classe no Brasil, a Labre, associada à Confederação Brasileira de Radioamadorismo, com sede em Brasília.

"Lembramos que utilizar equipamento de radiocomunicação, no Brasil, sem licença da Anatel é crime, federal", adverte Fábio Portela.

Ele acrescenta que os interessados podem conhecer um pouco mais sobre essa atividade na Feirinha do Radioamador, que é realizada todos os domingos, das 9h as 12h, na Praça Radioamador Teobaldo Cesne, na Av. 13 de Maio, Bairro Fátima, em Fortaleza.

Mais informações:

Liga de Amadores Brasileiros de Rádio Emissão (Labre) Ceará

Telefones: (85) 9 9841-1010 / (85) 9 8838-3590

E-mails: beto.Pt7yv@gmail.Com / renerfortaleza@gmail.Com



Total de acessos: 142629

Visitantes online: 21