Carregando...

Publicidade

Desdobramento da Lava-Jato, a operação 'Tira-Teima'foi autorizada pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), a pedido da procuradora geral da República, Raquel Dodge. (Foto: Natinho Rodrigues)

Desdobramento da Lava-Jato: Polícia Federal deflagra Operação "Tira-Teima".

Ceará, São Paulo e Goiás foram os alvos dos Investigadores por provas de prestação de "serviços fictícios".

11/04/2018

A Polícia Federal deflagrou ontem, em Fortaleza, São Paulo e Goiânia, a Operação Tira-Teima, com oito mandados de busca e apreensão, para apurar o pagamento de propinas de campanhas eleitorais por meio de notas frias. Desdobramento da Lava-Jato, a operação foi autorizada pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, a pedido da procuradora geral da República, Raquel Dodge.

Foram oito mandados cumpridos por cerca de 40 agentes da Polícia Federal. De acordo com a PF, a operação "investiga pagamentos de vantagens indevidas por parte de um grupo empresarial a políticos, para obter benefícios, considerando a notícia de doações de campanha abalizadas através de contratos fictícios".

Os alvos são pessoas que teriam ligação com o presidente do Senado, Eunício Oliveira. O senador nega qualquer envolvimento com a operação que é parte da Ação Cautelar 4.380, autorizada pelo Ministro Edson Fachin.

No Ceará, as buscas ocorreram na sede do grupo M Dias Branco. Uma nota, assinada pelo vice-presidente de Investimentos e Controladoria, Geraldo Luciano Mattos Júnior, afirma que "em conformidade com o parágrafo 4º do artigo 157 da Lei nº 6.404/76 e com a Instrução CVM nº358/02, comunica aos seus acionistas e ao mercado em geral, que a Polícia Federal realizou, nesta data, medida de busca e apreensão em sua sede, em cumprimento à ordem judicial proferida pelo Exmo. Sr. Dr. Ministro Edson Fachin, nos autos da Ação Cautelar nº 4.380. A companhia cearense encerra a nota dizendo que "tem colaborado com as autoridades e continuará a fazê-lo".


De acordo com a Polícia Federal, a operação "investiga pagamentos de vantagens indevidas por parte de um grupo empresarial a políticos, para obter benefícios". No Ceará, oito policiais participaram da ofensiva. (Foto: Reprodução/Diário do Nordeste)

De acordo com fontes ouvidas pela reportagem, as buscas Em Fortaleza, São Paulo e Goiânia têm por finalidade fazer o caminho inverso das propinas que teriam abastecido campanhas eleitorais. As investigações teriam como ponto de partida a delação do ex-diretor de Relações Institucionais do Hypermarcas Nelson Mello.

A empresa, hoje com o nome de Hypera Pharma, sediada em São Paulo, também foi alvo da Operação 'Tira-Teima'. O ex-diretor afirmou ao Ministério Público Federal, ainda em 2015, ter repassado mais de R$ 26 milhos para o PMDB na campanha eleitoral de 2014. O intermédio seria o lobista Milton Lira.

Em 2016, Mello afirmou em seu depoimento à Procuradoria-Geral da República que pagou R$ 30 milhões a dois lobistas com trânsito no Congresso para efetuar repasses de propinas milionárias para senadores do então PMDB, entre eles o ex-presidente do Congresso Renan Calheiros (AL), Romero Jucá (RR) e Eduardo Braga (AM).

A Hypera Pharma se manifestou sobre a ação. "Nesta manhã, há operação de busca e apreensão no escritório da Companhia em São Paulo para colher documentos relacionados à colaboração do ex-diretor de Relações Institucionais da Companhia, Nelson Mello. A Companhia reitera que não é alvo de nenhum procedimento investigativo, nem se beneficiou de quaisquer atos praticados isoladamente pelo ex-executivo, conforme já relatado ao longo do ano de 2016 em vários comunicados".

Segundo Mello, um lobista lhe informou que um emissário do senador o procuraria em 2014. Então, um sobrinho do senador, de nome Ricardo, pediu ajuda financeira à candidatura. Esse sobrinho seria Ricardo Lopes Augusto. "Pagou despesas de empresas que prestavam serviços à campanha de Eunício Oliveira; que ajudou mediante contratos fictícios", disse o executivo da Hypermarcas na delação.

A assessoria do senador Eunício Oliveira informou, por meio de nota, que não há nenhum envolvimento seu no caso: "ele não foi alvo da Operação Tira-Teima. Tampouco pessoas ou empresas ligadas a ele foram alvo, ou sequer abordadas", disse sua assessoria em nota. (Com informações das agências).



Total de acessos: 178912

Visitantes online: 48