Carregando...

Publicidade

Empresário Joesley Batista, da J&F, disse a delegado que o ex-diretor do Grupo, Ricardo Saud, entregou mala com R$ 500 mil ao senador Ciro Nogueira. (Foto: AFP)

Joesley detalha entrega de mala com R$ 500 mil a Ciro Nogueira.

Novos depoimentos do delator à Polícia Federal oferecem mais indícios das acusações contra o presidente do PP.

26/04/2018

Brasília. Como parte de sua nova leva de depoimentos à Polícia Federal, o empresário e delator Joesley Batista, da J&F, deu mais detalhes aos investigadores sobre as acusações feitas contra o presidente do PP, senador Ciro Nogueira (PI), no anexo complementar da colaboração premiada entregue à Procuradoria-Geral da República (PGR) no dia 31 de agosto do ano passado.

Ouvido pelo delegado Cleyber Malta Lopes, que cobrou detalhes do delator em sua narrativa, Joesley contou que o ex-diretor do grupo J&F Ricardo Saud entregou uma mala com R$ 500 mil a Nogueira na garagem de sua casa. O depoimento foi prestado no último dia 6 de abril, no âmbito do inquérito para apurar as suspeitas de omissões dos delatores do Grupo JBS após a revelação de diálogos gravados acidentalmente entre Joesley e Saud. Dentre os episódios que não haviam sido citados na leva de depoimentos de maio de 2017 estava o de Ciro Nogueira.

Em seu relato, Joesley contou que, em 17 de março do ano passado, houve uma reunião entre ele, Saud e o senador por volta das 19h. O encontro teria sido gravado "para registrar os diálogos e tratativas de entrega de R$ 500 mil para Ciro Nogueira, o que de fato ocorreu".

Segundo Joesley, a mala foi entregue por Saud a Nogueira na garagem da casa do empresário, em São Paulo. Em depoimento anterior, Joesley já havia relatado a entrega dessa quantia para Nogueira, como pagamento de propina, sem dar os detalhes que acrescentou no novo depoimento. Segundo o relato do empresário, ele repetiu o método usado com o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures, ex-assessor do presidente Michel Temer, e que se tornou a cena mais conhecida da delação: uma mala de R$ 500 mil , também entregue por Ricardo Saud em São Paulo.

O advogado de Ciro Nogueira disse, por nota, que ele nunca recebeu dinheiro de Joesley Batista e que a gravação da conversa vai comprovar isso. Disse, ainda, que Ciro Nogueira mantinha com Joesley uma relação "republicana" de um senador com um grande empresário.

O senador do PP foi um dos alvos de uma operação da PF deflagrada na terça, por determinação do ministro Edson Fachin, do STF. A PGR suspeita que Ciro teria atuado para tentar obstruir as investigações da Lava-Jato contra ele por meio de ameaças e até pagamentos a um ex-assessor dele que vem colaborando com as investigações. Ciro está na Europa e nega as acusações.



Total de acessos: 144319

Visitantes online: 32