Carregando...

Publicidade

Telefone celular estava presente em 90,5% das residências do Ceará em 2017. (Foto: Fabiane de Paula)

"Características Gerais dos Moradores": Acesso à internet cresce 19,9% no CE e chega a 1,67 milhão de domicílios.

Smartphone tem sido um dos equipamentos mais utilizados pelos cearenses na web e está em 2,6 mi de residências.

27/04/2018

Fortaleza/São Paulo. O acesso à internet no estado do Ceará expandiu 19,9% em 2017 ante o ano imediatamente anterior, 2016. No ano passado, 58,1% dos domicílios cearenses (1,67 milhão) tinham acesso ao serviço, enquanto que em 2016 (1,39 milhão) 48,9% das moradias – menos da metade – podia usar a internet, independentemente da plataforma. Os dados fazem parte da pesquisa “Características gerais dos moradores e dos domicílios 2017”, divulgada ontem (26) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que revela ainda o crescimento do acesso, sobretudo, pelo telefone celular e Smart TV.

Em números absolutos, o Ceará tem o terceiro maior número de domicílios com acesso à internet no Nordeste, perdendo apenas para Pernambuco (1,84 milhão) e Bahia (3,11 milhão). Em números relativos, o Estado é o sexto da Região, atrás de Rio Grande do Norte (66,3%); Sergipe (64,9%); Paraíba (63,9%); Bahia (60,2%) e Pernambuco, com internet em 59% das casas.


(Foto: Reprodução/Diário do Nordeste)

A expansão mais expressiva no Estado diz respeito ao uso da internet no telefone celular. Em 2016, o uso do serviço por essa plataforma fazia parte da realidade de 46,5% (1,325 milhão) dos domicílios cearenses. Já no ano passado, o dado cresceu para 57,1% (1,644 milhão), de acordo com os dados do IBGE, um crescimento de 23,8%. Os números foram reunidos com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua).

No ano passado, em 7% dos domicílios cearenses ocorria o acesso ao serviço de internet por meio da televisão com os aparelhos “smart”. O número indica um avanço de três pontos percentuais ante a fatia de 4% observada em 2016. Também houve leve avanço no acesso à internet por tablet (0,7 ponto percentual); por microcomputador (0,1 ponto percentual) e por outros equipamentos (0,1 p. p.).

Apesar do crescimento, o Ceará ainda amarga a 23ª posição em percentual de domicílios com acesso à internet no País, acima apenas do Acre (57,1%); Alagoas (55%); Piauí (50,3%) e Maranhão (49,5%). Considerando apenas o uso do serviço pelo telefone celular, principal meio de acesso no Ceará e no País, o Estado também ainda é o 23º em domicílios com acesso à Internet pelo celular.

O telefone celular era item presente em 90,5% das residências do Estado em 2017 contra percentual de 89,7% em 2016. Em números absolutos, a ferramenta estava em 2,60 milhões de casas no ano passado ante 2,55 milhões em 2016.

TV supera tablets

Na esteira da difusão das plataformas de vídeo por streaming no País, 2,112 milhões de domicílios brasileiros passaram a ter ao menos um televisor conectado na internet em 2017, um crescimento de 40% na comparação com 2016. Agora, a TV é tão usada para acessar a internet quanto os tablets: 10,6% dos domicílios do País já possuem um televisor conectado, enquanto o tablet é usado para esse fim em 10,5% dos lares.

Com a estagnação da presença dos tablets nas casas das famílias, os smartphones assumiram mesmo o posto de aparelho preferencial para o acesso à internet. Eles estão presentes em quase a totalidade (92,7%) dos domicílios brasileiros. Em 48,151 milhões de lares (69% do total), o acesso à internet é feito no celular, conforme os dados de 2017. Foi um crescimento de 15,3% em relação a 2016, com 6,392 milhões de lares a mais usando o celular com internet.

Segundo a gerente da Pnad, Maria Lúcia Vieira, os números sobre o uso dos celulares para acessar a internet podem estar subestimados. Embora ainda existam pessoas que têm celular, mas não usam a internet no aparelho, é possível que as famílias entrevistadas pelo IBGE não percebam o uso de e-mail e aplicativos de redes sociais como uso de internet.

“A maioria das pessoas que usam a internet no celular é para o uso de mensagens”, disse Maria Lúcia, referindo-se a um recorte da Pnad, com dados de 2016 sobre uso de tecnologia, divulgado no início deste ano.

Mudança

Por isso, explicou a pesquisadora, a partir de 2019, o questionário da Pnad passará a incluir perguntas específicas sobre o tipo de uso da internet no celular. Hoje, o questionário pergunta apenas se a família acessou a internet e se esse acesso foi no celular ou não.

Enquanto não atualiza o questionário, o IBGE deverá continuar observando crescimento do uso do celular para acessar a internet. Para Maria Lúcia, a tendência é que em todos os 64,656 milhões dos lares onde há um celular, o aparelho seja usado com internet móvel.

Com o crescimento dos smartphones, os microcomputadores, incluindo notebooks, perderam espaço. Em 2016, havia acesso à internet com computadores em 27,792 milhões de lares (40,1% do total), mas o número caiu para 27,095 milhões em 2017, ou 38,8% do total. “Muitas pessoas que tinham o computador basicamente para acessar a internet, hoje o fazem no celular com muito mais facilidade”, disse Maria Lúcia.

Independentemente do aparelho usado, 5,153 milhões de lares passaram a ter acesso à rede internacional de computadores entre os anos de 2016 para 2017, segundo dados da pesquisa. Com isso, 70,5% dos lares do País já têm acesso à internet. Em 2016, 63,6% dos domicílios relataram ao IBGE terem acesso à internet.



Total de acessos: 216359

Visitantes online: 8