Carregando...

Publicidade

A aeronave modelo EC 130, avaliada em R$ 2,5 milhões e com sete lugares, foi apreendida em uma área de mata em Fernandópolis, Interior de São Paulo, e teria sido utilizada no duplo homicídio em Aquiraz, no Ceará. (Foto: Reprodução/Diário do Nordeste)

Piloto de helicóptero do PCC negocia delação premiada.

Existia a possibilidade de Felipe Morais se entregar à Polícia na semana passada, mas não foi concretizada.

02/05/2018

O piloto Felipe Ramos Morais, apontado como um membro da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) e suspeito de envolvimento na morte de dois líderes da organização, no Ceará, em fevereiro deste ano, negocia um acordo de delação premiada com as autoridades cearenses, conforme apurou a reportagem.

Existia a possibilidade de o piloto se entregar à Polícia no último dia 24 de abril, mas não foi concretizada. Ele segue foragido, assim como os outros 11 indiciados pela Polícia Civil do Ceará por participação nos assassinatos de Rogério Jeremias de Simone, o 'Gegê do Mangue', e Fabiano Alves de Souza, o 'Paca'.

O Ministério Público do Ceará (MPCE) deu parecer favorável a um pedido de reconsideração da manutenção da prisão temporária do piloto (decretada em 3 de abril deste ano), impetrado pela advogada Mariza Almeida Ramos Morais. Entretanto, uma junta de juízes da Comarca de Aquiraz, do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE), negou o pedido, no último dia 20 de abril.

Conforme trechos da decisão mais recente, a qual o Diário do Nordeste teve acesso, no pedido, a advogada propôs que Felipe colaboraria com as investigações, em troca da liberdade: "O requerente que pretende apresentar-se, não só para formalizar o termo entregue à autoridade policial, mas precisamente para ter oportunidade de poder expor pessoalmente todo o ocorrido no dia dos fatos".

A defesa questionou que a primeira decisão judicial "não fez qualquer menção a efetiva colaboração do requerente" e alegou que o cliente procurou a Polícia, "colaborando com os trabalhos, estabelecendo a dinâmica do crime, o reconhecimento dos envolvidos, o encontro do helicóptero e das armas utilizadas".


Felipe Ramos Morais é apontado pela Polícia como coordenador de rotas aéreas da facção criminosa PCC. (Foto: Reprodução/Diário do Nordeste)

Provas

Ainda de acordo com a decisão dos juízes César Morel Alcântara, Cristiano Sanches de Carvalho e Ricci Lôbo de F. Filgueira, o MPCE elaborou relatório com "indicação da existência de fortes indícios da participação do peticionante (Felipe Morais) no plano que culminou nos homicídios das vítimas".

"Ainda, aduz em relatório de sua manifestação que o helicóptero utilizado na execução do crime sob investigação também era utilizado pelo PCC para venda e distribuição de droga, fato que segundo o próprio Ministério Público, corrobora a existência de relação anterior entre o piloto Felipe Ramos de Moraes e a aludida facção criminosa", continua a decisão judicial. Os magistrados acrescentam que o piloto teve condenação por tráfico de drogas parcialmente mantida pelo Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF 5), em Recife, naquele mesmo dia 20 de abril, em um processo em que um bando ligado ao PCC foi preso com 174,8 kg de pasta base de cocaína (avaliada em R$ 2,2 milhões), em uma operação conjunta das polícias Federal (PF) e Militar (PM) do Ceará e do Piauí. Apesar de ter sido condenado, ele foi colocado em liberdade pela Justiça.

"Portanto, entendemos ainda presentes os requisitos e fundamentos da prisão temporária decretada outrora, razão pela qual negamos o pedido de reconsideração em destaque", concluiu a junta de juízes.


Outro helicóptero de Felipe Morais foi apreendido em nova ação da Polícia Civil de São Paulo, para combater a rota do tráfico de drogas internacional do PCC, em Arujá (SP), no último dia 25. Três pilotos foram detidos, mas Felipe segue foragido. (Foto: Reprodução/Diário do Nordeste)

Aeronaves

Três aeronaves que pertenciam a Felipe Morais já foram apreendidas pela Polícia, desde que a facção criminosa ordenou a morte dos dois membros da cúpula do grupo, em Aquiraz. Um dos helicópteros, que foi utilizado no duplo homicídio, foi recambiado para a frota da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), por decisão da Justiça Federal, anunciou o governador Camilo Santana no último dia 28 de abril.

A aeronave - modelo EC 130, de cor vermelha, avaliada em R$ 2,5 milhões e com sete lugares - foi apreendida em uma área de mata em Fernandópolis, Interior de São Paulo, em uma operação do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), da Polícia Civil, no dia 1º de março deste ano.

Na mesma operação, o Deic localizou outro helicóptero no nome de Felipe, em um hangar no ABC paulista. Também foram apreendidas duas lanchas pertencentes ao piloto, que estavam nas marinas de Guarujá e Santos. A reportagem apurou que a localização dos veículos foi indicada à Polícia pelo próprio piloto, por meio da sua advogada.

Por fim, uma terceira aeronave de Felipe Morais foi apreendida em nova ação da Polícia Civil de São Paulo, para combater a rota do tráfico de drogas internacional do PCC, em Arujá (SP), no último dia 25. Três pilotos da facção foram detidos, mas Felipe não se encontrava no local.

A operação expôs que o piloto procurado pela Polícia cearense é o coordenador de rotas aéreas da maior organização criminosa do País, segundo informações dos investigadores da Delegacia de Investigação Sobre Entorpecentes (Dise).


Total de acessos: 239409

Visitantes online: 1