Carregando...

Publicidade

O Banabuiú, terceiro maior açude do Ceará, poderá transpor água, por meio de dutos, para o Pedra Branca, que abastece Quixadá e Quixeramobim. (Foto: Alex Pimentel)

"Malha D'Água" deve garantir o abastecimento A informação partiu do titular da SRH, Francisco Teixeira, na abertura do IX Seminário Nacional de Saneamento Rural.

A informação partiu do titular da SRH, Francisco Teixeira, na abertura do IX Seminário Nacional de Saneamento Rural.

24/05/2018

Quixadá. O Malha D'água, projeto institucional do governo do Estado, orçado em R$ 5,3 bilhões, com prazo de execução, para a instalação de 4.300 quilômetros de adutoras em 20 anos, foi a proposta apresentada pelo titular da Secretaria de Recursos Hídricos (SRH), Francisco Teixeira, a gestores de recursos hídricos de todo o País, durante a abertura do IX Seminário Nacional de Saneamento Rural, neste Município do Sertão Central do Ceará.

O plano foi exposto ao público como solução para o problema diagnosticado após seis anos de estiagem contínua no Estado. Pelo modelo convencional, dos canais, além do desperdício, no caminho a água armazenada nos grandes açudes públicos tem sido desviada para atividades adversas ao consumo humano. A canalização interligando reservatórios de porte significativo a duas e até três cidades, deverá resolver esse problema, pontuou o secretário.

Sobre o novo modelo, Francisco Teixeira citou o Açude de Banabuiú como exemplo. O terceiro maior reservatório do Ceará poderá transpor água, por meio de dutos, para o Pedra Branca, que abastece Quixadá e Quixeramobim, e também para o Fogareiro, em Quixeramobim. Dali, o sistema adutor poderá atender os municípios vizinhos, com nenhuma ou reduzida perda.

Outra boa notícia

Outra boa notícia foi dirigida à população de Boa Viagem. Segundo Francisco Teixeira, o Ministério da Integração Nacional (MI) e o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs) firmaram acordo e deverão instalar, ainda neste ano, uma adutora ligando o Açude Umarí, no município vizinho, Madalena, à Estação de Tratamento de Água (ETA) daquela cidade. O projeto já está em processo de licitação.

Boa Viagem é um dos cinco municípios cearenses ainda em situação crítica quanto ao abastecimento de água. Os outros são Pedra Branca, Monsenhor Tabosa, Pereiro e Mombaça. Mesmo assim, as chuvas deste ano, elevando de 7% para 17% as reservas hídricas no Estado vão aliviar a situação, pelo menos por um ano, até a chegada da próxima quadra chuvosa. O ideal, no entanto, é ter aporte para pelo menos três anos.

Quanto ao Sertão dos Inhamuns, a situação não é plenamente confortável, mas a maior cidade da região, Crateús, ficou aliviada. Teixeira ressaltou, porém, a necessidade do uso racional e consciente do volume captado. As perspectivas para o próximo ano são boas, mas água não se desperdiça. A prioridade é o abastecimento humano.

Emergência

Segundo a Defesa Civil do Ceará, atualmente 89 municípios cearenses permanecem com áreas em emergência declarada pelo Estado. A última publicação do Governo do Ceará, no Diário Oficial do Estado, é do mês passado, com relação de 48 municípios. Outros 41 permanecem com áreas em emergência. Senador Pompeu foi o último a entrar na lista, no início de janeiro deste ano. Catarina, nos Inhamuns, onde o abastecimento rural foi normalizado, solicitou a sua exclusão.

Esse será o foco das discussões, nos próximos dois dias, no auditório do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), direcionado ao abastecimento rural por meio de Sistemas de Saneamento Rural (Sisars). O tema do Seminário, que segue até amanhã, é "Água, Saneamento e Saúde".



Total de acessos: 144306

Visitantes online: 32