Carregando...

Publicidade

Conforme a SSPDS, com a implantação da Uniseg, haverá um aumento no efetivo policial e no número de patrulhas na área. (Foto: Marcos Studart/Gov do Ceará)

Planalto Pici: Sétima Unidade Integrada de Segurança é inaugurada.

07/06/2018

A sétima Unidade Integrada de Segurança (Uniseg) de Fortaleza teve inauguração, ontem, na Praça do bairro Henrique Jorge. O novo equipamento, sediado no bairro Planalto Pici, tem como objetivo intensificar os serviços de policiamento na região que abrange os bairros Autran Nunes, Bonsucesso, Dom Lustosa, Henrique Jorge, João XXIII, Jóquei Clube e Planalto Pici.

Inserido no programa Pacto por um Ceará Pacífico, as Unisegs visam, conforme a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), fomentar ações pacificadoras que promovam a segurança nos bairros de maior vulnerabilidade. O projeto trabalha na perspectiva de concentrar o policiamento em todas as áreas da Capital.

De acordo com o secretário da Segurança Pública, André Costa, as áreas que apresentam os maiores índices de violência são priorizadas quanto à instalação das Unisegs. "Qual o nosso principal desafio? O problema dos homicídios. Isso é histórico, pelo menos desde 2012. Nós temos antecipado o projeto nas áreas mais críticas, fazendo um reforço no efetivo para ajudar na redução dos homicídios", destacou.

Conforme o titular da SSPDS, com a implantação da sétima Uniseg, haverá um aumento no efetivo policial e no número de patrulhas para atenderem às ocorrências. "Antes, nós tínhamos uma equipe de 60 policiais, com três viaturas para cobrir os sete bairros. Ou seja, cada uma delas atendia dois ou três deles".

André Costa ressaltou que as composições realizarão um trabalho mais próximo das comunidades, considerando esta uma mudança no dia a dia dos moradores. "Diariamente, as equipes visitam escolas, faculdades, comércios, além da casa de mulheres que são vítimas de violência doméstica", relatou.

Governador

Sobre a questão da violência no Ceará, o governador Camilo Santana afirmou que é necessário ser desenvolvido um plano nacional estratégico de Segurança para que a prática dos crimes sejam efetivamente combatidas. "A violência é um problema do Brasil inteiro. A população paga um preço muito caro pela falta de um plano nacional estratégico de segurança. O crime ultrapassou as fronteiras dos estados. Não dá para trabalhar isolado, nós temos que trabalhar integrados. É preciso ter um combate mais efetivo", pontua.

Santana ainda ressaltou que o Ceará, junto à Paraíba, foram os precursores na implantação de um sistema de Segurança Pública integrado entre dois estados brasileiros, afirmando que vai continuar cobrando ao Governo Federal para ajudar os demais estados nessa questão. "Todos os investimentos foram custeados pelo Estado. Até hoje, não recebi um centavo (da União)".



Total de acessos: 218112

Visitantes online: 5