Carregando...

Publicidade

O ex-governador do RJ Sérgio Cabral virou alvo da 24ª denúncia no âmbito da Lava-Jato. (Foto: Fábio Motta)

Operação Câmbio, Desligo: MPF denuncia Dario Messer, Cabral e outros 60 acusados.

08/06/2018

Rio de Janeiro. O Ministério Público Federal denunciou, ontem, o "doleiro dos doleiros", como é conhecido Dario Messer.

Além dele, também foram alvos do MP o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral e outros 60 acusados de desvio, entre eles o delator Juca Bala, na Operação "Câmbio, Desligo", um desdobramento da Lava-Jato no Rio. A organização criminosa é acusada dos crimes de lavagem de dinheiro, evasão de divisas e corrupção contra o sistema financeiro internacional.

A Operação, que aconteceu no início do último mês de maio, teve como objetivo efetuar 53 mandados de prisão. No total, treze doleiros e operadores se mantém foragidos da Justiça. Eles são acusados de participar de uma rede que movimentou ilegalmente US$ 1,6 bilhão por meio de 3 mil offshores sediadas em 52 países. A denúncia, de 816 páginas, foi apresentada ao juiz Marcelo Bretas, que decidirá se os doleiros viram ou não réus. Essa é a 24ª denúncia contra Cabral. Ele já foi condenado a mais de 100 anos de prisão.

Queiroz Galvão

A mais recente denúncia da força-tarefa da Lava-Jato no Rio revela os pagamentos de mais uma empreiteira a Cabral: a Queiroz Galvão. De acordo com os procuradores, dois doleiros, Raul e Jorge Davies, ajudaram o emedebista em 33 oportunidades a receber um total de R$ 23,9 milhões em propinas da empresa entre abril de 2011 e agosto de 2014, quando Cabral já tinha deixado o governo.

O Ministério Público Federal afirma que houve o acerto de pagamento de propina pela Queiroz Galvão pelo menos em relação três obras custeadas com recursos federais do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC): urbanização na Comunidade da Rocinha (PAC das Favelas), construção do Arco Metropolitano e a construção da Linha 4 do Metrô. A Construtora Queiroz Galvão informou que não vai comentar a denúncia.

HC negado

Já o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes decidiu, ontem, manter a prisão do empresário Roberto Rzezinski, investigado pela PF na Operação "Câmbio, Desligo".

Ao decidir a questão, Gilmar Mendes entendeu que o caso deverá analisado em um habeas corpus específico. O empresário pediu extensão na decisão na qual Mendes libertou quatro presos na operação.



Total de acessos: 216883

Visitantes online: 10

© 2018 RADIO CIDADE - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS