Carregando...

Publicidade

O equipamento inglês do Engenho da Lagoa Encantada foi um dos primeiros. (Foto: Antonio Rodrigues)

De Cana-de-Açúcar: Vestígios de engenhos do Cariri podem ser reunidos em museu.

O “Cratinho de Açúcar” e a terra dos “Verdes canaviais” rememoram os tempos dos engenhos de cana-de-açúcar.

11/06/2018

Crato/Barbalha. Autores divergem quanto à chegada do primeiro engenho de cana-de-açúcar ao Cariri. Um diz que foi em 1718, no Sítio Salamanca, em Barbalha, por Antônio de Souza, bisavô de Bárbara de Alencar. Outros, acreditam que a chegada só aconteceu em 1735, no Sítio Santa Tereza, entre Barbalha e Missão Velha, tecnologia trazia pelo sergipano José Paes Landim. Independentemente disso, a economia açucareira foi importante para região, é tanto que batizou o “Cratinho de Açúcar” e também é parte da identidade barbalhense, a terra dos “Verdes canaviais”. Os engenhos se perdem no tempo e, aos poucos, na memória.

Em Barbalha, apenas cinco engenhos se mantêm com a produção de cana-de-açúcar. Destes, dois fabricam somente rapadura e, os outros três, além do doce, fazem cachaça, batida e alfenim. Todos trabalhando por encomenda. Na Usina Manoel Costa Filho, a paisagem foi ocupada por bananeiras há quatro anos. Já no Crato, só existe um funcionando, mas como destilaria, produzindo apenas aguardente.

No Cariri, os engenhos passaram por três fases. Na primeira, no século XVIII, como a água nas nascentes eram abundantes, as moendas eram movidas pela força hídrica. Neste sistema, havia três tipos, o “copeiro”, “meeiro” e “rasteiro”, de acordo com a entrada da água: por cima, pelo meio ou por baixo da roda. Com o desvio da águas e, depois, a escassez, começaram a investir na tração de boi. Uma peça no eixo principal e duas catracas movimentavam com os animais. Na época, toda a engenharia era de madeira, jatobá ou pequi.

Depois veio o de ferro, trazido pela família Ferreira de Melo, possivelmente de Pernambuco. No entanto, quando os bois eram colocados nas juntas pra mover, eles se deslocavam com dificuldade e tinham que apanhar muito. O som no engenho de madeira cadenciava o caminhar dos animais, mas, no ferro, não tinha o mesmo “gemido”. Anos depois, a tração animal foi substituída pelo vapor, diesel e eletricidade.


(Foto: Antonio Rodrigues)

No Cariri, dois grandes mecânicos eram responsáveis por fabricar quase todos os engenhos da região no Século XX: Antônio Linard, em Missão Velha; e Severino Honorato, no Crato. O primeiro, era filho de um engenheiro francês que chegou ao Brasil para trabalhar na Estrada de Ferro Madeira-Mamoré. Depois do serviço, se estabeleceu em Santana do Cariri para ajudar na fundição dos engenhos locais. O filho, Antônio, começou a aprender lendo manuais de mecânica. Como não tinha dinheiro para montar sua própria oficina, conseguiu comprar um torno com a ajuda de Lampião e seus cangaceiros, após limpar suas armas. A partir da década de 1940, não parou mais. Suas peças eram assinadas “Linard” e ainda é possíveis de encontrá-las.

Já seu concorrente, Severino Honorato, dono da “Oficina Cratense”, deixou o estabelecimento aos cuidados do filho, Luiz Honorato, mecânico da Aeronáutica que deixou de lado a vida de oficial, após visitar outros países e ganhar medalhas, e se dedicou ao trabalho com ferro junto do pai. Hoje, aos 91 anos, mantém o prédio da oficina e boa parte dos equipamentos utilizados para fabricar os engenhos. Peças estão espalhadas pelo enormes galpões, misturadas com a plantação de frutas.

“Mesmo tendo muitos engenhos para trabalhar, Antonio Linard era meu concorrente. Mas muito leal. Era mais evoluído que a gente. Eu reconheço”, admite Luiz. A fabricação do rival era mais famosa, mas Honorato utilizava peças de ferro velho, o que tornava o material mais resistente, enquanto Linard fabricava com o ferro puro.

Com 30 homens, a Oficina Cratense chegou a fabricar 150 engenhos ao mesmo tempo. Todo o processo durava, em média, 40 dias, mas já havia peças prontas. “O engenho é composto de várias peças rústicas, mas principalmente de três moendas. Lisa e duas de flange. Aquelas moendas eram mais trabalhosas, porque eram pesadas, com fundição muito grande. Numa fundição, eram tirados, no máximo, três tambores grandes de 18, 20 e 24 polegadas, que serviam para armazenar o “caldo”. A roda de espora, de cerca de 1,7m, pesava quase 100Kg. “A gente fazia engenho completo. Tudo que precisava, de ferro fundido”, garante Luiz. No entanto, com a baixa da cultura açucareira, a Oficina Cratense foi afetada. De 30 operários, chegou a quatro funcionários. “Não dava para cobrir todo serviço”, lamenta. Por isso, o aposentado passou a fazer só serviços de manutenção.

Importância

A poucos quilômetros da sede de Crato, o Engenho da Lagoa Encantada, que foi um dos maiores da região, se tornou ruínas à beira da estrada. Criado, provavelmente, no século XIX, pelo coronel José Rodrigues Monteiro, a moenda era, inicialmente, movida a boi. No entanto, foi substituída por motor e caldeira. Posteriormente, passou a ser acionado por óleo diesel e eletricidade, incluindo equipamento importado da Inglaterra.

Foi no Engenho Lagoa Encantada que ocorreu a primeira experiência da mecanização da lavoura de açúcar no Cariri, utilizando trator com grade de disco, sulcador e cultivador, que ainda podem ser vistos ao lado das ruínas. Além disso, foi pioneiro na técnica de cultivo em curva de nível e irrigação por inundação. Lá, havia uma fornalha capaz de produzir 32 cargas de rapadura por dia, cada uma com 100 rapaduras, além de um alambique para produção de 300 canadas de aguardente/dia (uma canada tem 2,662l).

“Nascido e criado aqui”, como descreve Geraldo Pereira de Sousa, o “Geraldo Fumaça”, 71, lembra que no Lagoa Encantada a jornada de trabalho começava de madrugada “para amanhecer já cozinhando a rapadura, alambique destilando e casa de farinha fazendo beiju”, lembra. Lá, era plantado também arroz, que chegava a ocupar o lugar da cana-de-açúcar em épocas de diferentes. “Não tinha serviço maneiro”, completa. Os produtos eram encomendados para outras cidades e vendidos em um armazém no centro do Crato.

Decoração

Na beira da Avenida Leão Sampaio (CE-060), entre Barbalha e Juazeiro do Norte, as peças dos engenhos ficam expostas na placa de uma sucata. Segundo o comerciante Elias Bezerra, este material foi comprado dos proprietários que fecharam. Três deles, completos, já foram vendidos para fazendas da região só para ornamentar. O valor médio é R$ 2 mil. “A procura é grande do pessoal rico. Eles preferem os menores. A gente tem um lucro bom, a procura é grande”, conta.

Os engenhos são pintados de preto e enfeitam as entradas das fazendas em Crato, Juazeiro do Norte, Missão Velha e Barbalha. Por isso, Elias fica atento quando tem algum disponível para adquirir. Inclusive, um deles, só com a moenda, já está apalavrado por R$ 1.800. “A gente vende não só completo. Chegando à sucata, se precisar do volante, os mancais, as madeiras ou alguns roletes, consegue a parte que precisa”, completa o comerciante.

Museu

O Instituto Cultural do Cariri (ICC) elaborou um projeto para criar o Museu do Engenho do Cariri, que ficaria nos fundos de sua sede, em terreno que pertence ao Departamento Estadual de Rodovias (DER), em Crato. A planta já foi feita e apresentada à população e políticos, que demonstraram apoio ao empreendimento, com a criação de uma emenda parlamentar que garante o orçamento de sua construção. Estima-se que o valor total da obra seja de R$ 208 mil.

“A ideia surgiu pela sensibilização com o fim da economia açucareira, que nos traz uma certa comoção e vontade de preservar. O rompimento pode ser danoso à história e à memória. Os mestre de rapadura, os cambiteiros, os metedores de fogo, essa gente está morrendo. As minúcias da produção podem desaparecer ou deixar breves vestígios”, explica o presidente do ICC, o advogado Heitor Feitosa.

A aquisição do equipamento será feita por meio de doação. Proprietários e herdeiros de antigos engenhos prometeram disponibilizar tudo, incluindo um carro de boi utilizado no século XIX. Além disso, no Casarão, terá três seções. Numa delas, um café social e uma lojinha para o ICC se manter. No meio, um salão de eventos para receber manifestações culturais. Por fim, um laboratório e acervo técnico de arqueologia colonial e pós-colonial. “Há uma carência aqui na região”, justifica Heitor. Se a verba for conquistada, a expectativa é que fique pronto entre seis meses e um ano.

“Há questões nos engenhos que implicam diretamente como o direito trabalhista. As mudanças criadas com a CLT reverberaram nos engenhos e no destino deles. Fecharam muitos. Um fator importante para ser lembrado: a exploração dessa mão-de-obra se equiparava ao trabalho escravo.

Começava de madrugada, sem equipamento próprio, jornadas extenuantes. O museu pode servir para quem queira conhecer essa história”, finaliza.



Total de acessos: 239480

Visitantes online: 1