Carregando...

Publicidade

Henrique Meirelles disse, ontem, que a grande maioria do partido dele está firme na decisão de lançar sua candidatura ao Palácio do Planalto em outubro. (Foto: AFP)

Presidenciáveis: Meirelles nega ter pré-candidatura ameaçada no MDB.

Ex-ministro de Temer garantiu que nada impede que sua candidatura decole após se tornar conhecido.

19/06/2018

São Paulo. O ex-ministro Henrique Meirelles negou, ontem, que a sua pré-candidatura à Presidência da República esteja ameaçada dentro do MDB e disse ter apoio da maior parte do partido. Também afirmou que o presidente Michel Temer tem apresentado a defesa jurídica das acusações contra ele.

"A grande maioria do MDB está firme na decisão de ter uma candidatura própria e que sejamos o candidato do MDB".

O ex-ministro participou do Fórum da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (Unica), em São Paulo. Na palestra, o pré-candidato defendeu o teto de gastos e a Reforma Trabalhista implantados pelo governo federal, mas não citou Temer. Ao ser indagado se o legado de Temer impedia o crescimento de sua candidatura, respondeu:

"Nada impede que a minha candidatura decole. O que impede é o desconhecimento", afirmou Meirelles, acrescentando que suas pesquisas mostram que apenas 5% da população o conhecem e 20% dessas pessoas o escolhem como candidato.

Ciro

Já Ciro Gomes (PDT) chamou de "especulações" as informações de que possa fechar aliança com o DEM nos próximos dias e acrescentou que as conversas visam abrir espaço para a governabilidade caso seja eleito.

Ele não vê chance de aliança enquanto o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, se mantiver na disputa. "O Democratas, tem um candidato à Presidência da República, que é o Rodrigo, por quem tenho afeição e respeito, sou amigo do pai dele, Cesar Maia. Enquanto ele for candidato, tudo que acontecer são conversas normais de um candidato a presidente que sabe que existem duas etapas: uma é ganhar a eleição, e a outra é governar. Nenhum partido vai fazer mais de 10% da Câmara. Portanto, é imperativo que qualquer um de nós, se quiser ser sério, abra o diálogo e converse com forças diferentes da que representa".

Ciro evitou fazer previsões sobre o julgamento do pedido de liberdade do ex-presidente Lula pela Segunda Turma do STF.

"Fundo de urna e cabeça de juiz ninguém tem a menor ideia do que vem. Só torço para que Lula seja posto o quanto antes livre, pois considero uma coisa muito dolorida, com as discordâncias que tenho dele e dos rumos que ele tem impostos ao PT, me sinto muito mal com a ideia de que há um líder popular da grandeza do Lula mantido preso", disse.

Marina

Já a pré-candidata à Presidência da Rede, Marina Silva, disse, ontem, que não conversou com o presidente do PPS, Roberto Freire, sobre a possibilidade de ser seu vice. O nome de Freire foi levantado pelo senador Randolfe Rodrigues (RR) no fim de semana, assim como o do ex-presidente do Flamengo, Bandeira de Mello. "Qualquer discussão de nome, nós nunca colocamos à frente do programa, mas obviamente que todas as pessoas que o senador Randolfe, tanto o nome do Bandeira quanto o nome do Roberto são pessoas de maior credibilidade na sociedade. Mas não tive conversa com nenhum deles", disse Marina.



Total de acessos: 230281

Visitantes online: 5