Carregando...

Publicidade

Desde o último dia 17, começaram a chegar romeiros de várias partes do Nordeste para visitar o túmulo, agradecer e renovar a sua fé. (Foto: Antonio Rodrigues)

Juazeiro do Norte: Romaria celebra hoje 84 anos da morte do Padre Cícero.

Nesta sexta-feira, a Fundação Memorial Padre Cícero também comemora seu aniversário, de 30 anos.

20/07/2018

Juazeiro do Norte. "O Padrinho não morreu, ele se mudou", frase comum entre os romeiros para lembrar a passagem do Padre Cícero, que foi no céu "rogar a Deus por todos nós", acreditam. E isso aconteceu no dia 20 de julho de 1934, aos 90 anos, quando faleceu na cidade que ele fundou. Por isso, há 84 anos, é celebrada uma missa pela alma do patriarca do Município, que acontece às 6h desta sexta-feira, no largo da Capela do Socorro - local onde ele está sepultado. Ao longo do dia, acontecerão outras celebrações.

Desde o dia 17, começaram a chegar romeiros de várias partes do Nordeste para visitar o túmulo, agradecer e renovar a sua fé. Apesar de não ser tão movimentada como as romarias de Nossa Senhora da Dores, em setembro, Finados, em novembro, e Nossa Senhora das Candeias, em fevereiro, a vinda de milhares de pessoas para celebrar a morte do Padim se tornou uma tradição oportuna com o período das férias escolares. Na missa da manhã de hoje, são esperadas, aproximadamente, 30 mil pessoas.

E é a fé no Padre Cícero que fez a aposentada Marinalva dos Santos, de Propriá (SE), viajar 12 horas de ônibus até Juazeiro do Norte. Além da romaria de hoje, ela visita o Município na festa de Nossa Senhora das Dores e de Nossa Senhora das Candeias. Para ela, estar na terra do "Cearense do Século" é uma graça. "A primeira vez que vim foi sem ser em romaria".

No túmulo do Padre, no altar da Capela do Socorro, peças de madeira com formato de membros do corpo são deixadas - elas lembram a cura de alguma doença ou promessas. Além disso, terços, rosários, medalhas, estátuas, chaves, bonés, moedas, joias e, claro, flores são colocados. Alguns acreditam que o costume serve para abençoar o objeto. Enquanto isso, romeiros disputam espaço para orar, tocar e agradecer ao santo popular, deixando sua homenagem.

Logo que chegou, o aposentado Arnon Morais, de Lagoa Nova (RN), orou no túmulo do Padre Cícero. Há 16 anos, ele visita Juazeiro do Norte em julho como forma de homenageá-lo. "A gente não teve o prazer de conhecê-lo, mas sentimos sua presença". Seu conterrâneo, o motorista Severino Primo da Silva, escolhe a romaria deste mês porque é momento de férias e os preços nos ranchos são menores. "Nós temos aquele prazer de fazer a romaria. É uma coisa muito bonita. Nós fazemos uma oração e só vamos depois da missa".

Apesar do costumeiro aperto pelas ruas do Centro de Juazeiro do Norte, o movimento neste mês de julho é bem menor que nos anos anteriores, segundo os comerciantes. Para Severina Feliciano da Silva, que há 15 anos vende artigos religiosos nas romarias, o romeiro mesmo quando não tem dinheiro gosta de vir, mas, agora foi diferente. "Está fraco. Por ser nas férias poderia ser melhor. Cheguei há duas horas e ainda não vendi uma cruz. Mas tem muita gente ainda. É que o pessoal se espalha, mas tem gente demais", acredita.

Se nas grandes romarias há um mutirão de ações espalhadas por Juazeiro do Norte, este ano, na celebração da morte do Padre Cícero, a Secretaria de Turismo e Romaria não realizará nenhuma atividade. A equipe da Pasta tem se concentrado na Expocrato, evento realizado no Crato, que recebe milhares de turistas.

No dia 18 de julho de 1934, o médico Belém de Figueiredo prestou os primeiros cuidados ao Padre Cícero, acometido de uma crise intestinal. No dia seguinte, seu quadro de saúde piorou, sendo diagnosticado obstrução intestinal, agravada por insuficiência cardiorrenal. Na sexta-feira, dia 20, o sacerdote não resistiu e morreu aos 90 anos no leito de sua residência, na Rua São José, hoje instalada a Casa Museu Padre Cícero.

"Conduzido por uma multidão inconformada", assim é descrito o cortejo fúnebre do fundador de Juazeiro do Norte, que aconteceu no dia seguinte e reuniu, aproximadamente, 40 mil pessoas. No ano seguinte, a população pediu para que a Igreja realizasse uma missa na intenção da alma de Padre Cícero, mesmo já suspenso de sua ordem. Desde então, vestido de preto, o povo celebra, todo dia 20 de cada mês, em memória do fundador da cidade.

"Para nós cristãos, a morte é o início da vida em Deus. Por isso, até em relação aos santos, a gente celebra a data da morte e não de nascimento. À exceção de Maria, São João Batista e Jesus Cristo, os demais, no dia da morte. Para o Padre Cícero Romão não seria diferente. Para nós, Juazeiro é um santuário. No dia 20 de julho, por ser a data realmente onde celebramos o aniversário de morte, tem mais gente", explica o padre Cícero José da Silva, pároco da Basílica de Nossa Senhora das Dores.

Caso se tornasse santo pela Igreja Católica, o dia escolhido seria, provavelmente, 20 de julho, mas quem define isso é Roma, explica padre Cícero José. "Seria levado em conta essa experiência, porque já tem a missa no dia 20 de cada mês", acredita. No entanto, Juazeiro do Norte também celebra o nascimento de Padre Cícero Romão Batista, no dia 24 março. "Nasceu do povo essa expressão de celebrar também o nascimento. Juazeiro tem suas diferenças".

Livro

A Fundação Memorial Padre Cícero comemora seu aniversário de 30 anos hoje. Às 8h, haverá uma solenidade e o descerramento de uma placa comemorativa. Na sequência, o lançamento do livro e do documentário "Padre Cícero, o filme", produzidos pelo escritor Raymundo Netto, acerca do longa-metragem "Padre Cícero, os Milagres de Juazeiro", rodado em 1976 por Helder Martins. Na ocasião haverá um debate com os historiadores Renato Casimiro e Valmir Paiva. À noite, o filme será exibido a partir das 18h, no Teatro do Centro Cultural Banco do Nordeste, onde acontecerá uma nova rodada de debates.

Programação

Missa de 84 anos da morte de Padre Cícero, celebrada pelo cardeal da Arquidiocese do Rio de Janeiro, Dom Orani Tempesta
Local: Largo da Capela do Socorro, Rua Santa Luzia s/n
Horário: 6 horas

Solenidade de aniversário de 30 anos do Memorial Padre Cícero
Local: Auditório da Fundação Memorial Padre Cícero
Horário: 8 horas

Exibição do filme "Padre Cícero: os milagres de Juazeiro", de Helder Martins
Local: Centro Cultural Banco do Nordeste
Horário: 18 horas



Total de acessos: 239486

Visitantes online: 1