Carregando...

Publicidade

Filho do ex-vice-presidente José Alencar, o empresário é apontado como o responsável pela desistência do PR em apoiar Bolsonaro. (Foto: Folhapress)

Cotado por Alckmin e Pimentel: PT e PSDB disputam apoio de Josué Gomes para vice.

Filiado ao PR minimizou a movimentação em torno de seu nome dizendo que "vice não manda nada".

21/07/2018

São Paulo. Filiado ao PR, o empresário Josué Gomes foi exaltado, na sexta-feira (20), pelo ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) e lideranças do "Centrão", que o trataram como virtual candidato a vice do tucano na disputa presidencial.

Apesar do consenso do grupo, o PT não desistiu da aproximação com Josué e vai trabalhar para que ele não aceite compor chapa com Geraldo Alckmin.

Em nota à imprensa, o empresário, que está no exterior, agradeceu a indicação do Centrão ao seu nome e citou seu pai, o ex-vice-presidente José Alencar, que morreu em 2011.

"Tomei conhecimento da decisão do Partido da República, ao qual sou filiado, de, juntamente com o DEM, PP, PRB e Solidariedade, de apoiar a candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB) à Presidência da República, sugerindo o meu nome como possível vice da chapa. Relembro o meu saudoso pai, que dizia que o importante na chapa é quem a encabeça". E acrescentou: "Vice não manda nada e deve evitar atrapalhar". Foi a movimentação política do empresário mineiro que fez refluir as articulações do PR com o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) por uma aliança com o partido para a disputa ao Palácio do Planalto.

Em encontro com o ex-deputado Valdemar Costa Neto, que comanda o PR, e deputados do partido, o empresário se colocou "à disposição" da legenda.

Na reta final da negociação entre Alckmin e o Centrão, a escolha de Josué foi "natural".

O consenso ficou claro na sexta-feira durante um ato político na capital paulista que lançou o deputado Rodrigo Garcia (DEM-SP) como candidato a vice do ex-prefeito João Doria (PSDB) na disputa pelo governo paulista. Presidente nacional do PSD, o ministro das Comunicações, Gilberto Kassab, disse que seu partido não reivindica a vaga de vice-presidente. "Josué é um excelente nome", afirmou.

Questionado por jornalistas sobre a possibilidade de ter o empresário em sua chapa, Alckmin foi cauteloso, mas não poupou elogios a ele. "Cada coisa a seu tempo. É natural que o conjunto de partidos indique o nome. Sou admirador do Josué desde os tempos de José Alencar", disse. "Josué é um homem sério, qualificado e tem todas as condições de ser vice", completou o ex-ministro da Educação Mendonça Filho (DEM-PE).

Tentativa

O PT, que também cogita Josué como vice, mas em um disputa estadual, deu sinais de que não pretende desistir da proposta.

Na segunda-feira (23), o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), deve se encontrar com o empresário para oferecer a vaga de vice na disputa pela reeleição no governo mineiro. Já a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, disse que ouviu do próprio Josué a promessa de que não aceitaria ser vice de outro candidato que não fosse o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "A última vez que conversamos com o Josué ele disse para mim que seria vice de só uma pessoa, Luiz Inácio Lula da Silva".

Haddad

Cotado como um dos eventuais substitutos do ex-presidente Lula à disputa presidencial pelo PT, o ex-prefeito da capital paulista Fernando Haddad (PT) também abordou o pré-acordo do "Centrão" com Alckmin. Para Haddad a articulação dá fôlego ao tucano e reforça sua campanha. O petista argumentou, no entanto, que a "plataforma de Lula" continua tendo mais chance de ganhar a eleição.

"Representa um reforço, um fôlego. Mas vai ganhar a mesma proposta, na minha opinião. Vai ganhar a mesma plataforma", disse o petista, após participar da reunião da Executiva do PT na capital paulista.

Perguntado se a melhor plataforma seria a sua, Haddad declarou: "a do Lula é a melhor".

Na sexta, Haddad visitou Lula na prisão. O ex-prefeito se integrou à defesa de Lula e também se reunirá com o criminalista Sepúlveda Pertence, que enfrenta resistência com outro defensor do petista, o advogado Cristiano Zanin Martins.

Largada tucana

O anúncio do deputado Rodrigo Garcia como vice na chapa ao governo paulista de Doria se tornou a largada simbólica da campanha presidencial de Alckmin.

Em sua primeira aparição pública ao lado de Doria desde o início da pré-campanha, em abril, Alckmin foi recebido com gritos de o próximo presidente do Brasil em evento na sexta (20) em um hotel em São Paulo.



Total de acessos: 218006

Visitantes online: 3