Carregando...

Publicidade

(Foto: Reprodução/Diário do Nordeste)

Crianças de 1 a 4 Anos: CE visa vacinar 500 mil contra pólio e sarampo.

Profissionais da Saúde alertam que imunizar é indispensável; campanha tem início segunda-feira (6).

03/08/2018

Duas doenças atualmente ausentes no Ceará, mas que, ainda assim, exigem atenção, devem ganhar uma força-tarefa de combate: a partir de segunda-feira (6), tem início a Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e o Sarampo. De acordo com a Secretaria Estadual da Saúde (Sesa), todos os 2.345 postos de saúde distribuídos na Capital e no Interior já receberam as doses enviadas pelo Ministério da Saúde. A meta é imunizar, no mínimo, 483.724 crianças no Estado, o que corresponde a 95% dos 509.183 cearenses com idades de 1 a 4 anos, 11 meses e 29 dias.

Apesar da meta, como reforça a coordenadora de Imunizações da Sesa, Ana Vilma Leite, a ideia é que todo o público-alvo da Campanha seja imunizado. "É uma campanha indiscriminada: mesmo que já tenham sido vacinadas, 100% das crianças dessa idade precisam passar pelos postos de saúde. Quando protegemos a população infantil, protegemos também quem convive. É uma imunização coletiva", aponta a gestora.

A coordenadora municipal de Imunizações, Vanessa Soldatelli, reforça o alerta. "A orientação é vacinar todas as crianças, porque 5% delas, mesmo já tendo tomado, não desenvolvem os anticorpos. A Campanha foca na correção dessa falha. Sarampo e pólio são eliminadas no Ceará, mas os vírus continuam circulando no mundo. São duas doenças graves, que podem levar à morte ou deixar sequelas irreversíveis. Não dá para vacilar", frisa Vanessa, contabilizando que "uma criança vacinada protege outras 11 não imunizadas".

Riscos

A poliomielite, popularmente conhecida como paralisia infantil, está erradicada no Brasil há quase três décadas, desde 1990. Já o sarampo teve pelo menos 211 casos confirmados no Ceará, em 2015, situação controlada um ano depois - em 2016, o País recebeu o certificado de eliminação da circulação do vírus da doença pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e, até o ano passado, nenhum caso local ou nacional da virose havia sido registrado. Neste ano, porém, estados das regiões Norte, Sudeste e Centro-Oeste já confirmaram casos da enfermidade.

No Ceará, 61 municípios têm "risco alto" de retorno do vírus, sendo Fortaleza e Caucaia - as duas cidades com maiores populações do Estado - classificadas entre as que apresentam "risco muito alto" de reintrodução do agente causador do sarampo, conforme análise divulgada pela Sesa e publicada pelo Diário do Nordeste no último dia 31. Em outras 67 localidades cearenses, a ameaça é avaliada pela Sesa como "média".


A coordenadora municipal de Imunizações, Vanessa Soldatelli, reforça o alerta. "A orientação é vacinar todas as crianças, porque 5% delas, mesmo já tendo tomado, não desenvolvem os anticorpos. (Foto: José Leomar)

Vacinas

Um desafio para atingir a cobertura vacinal das crianças, lamenta Ana Vilma, é a necessidade de descartar os mitos sobre "reações" e os efeitos colaterais das doses. "Se a criança está doente, febril, orientamos que os pais esperem que fique bem. Não por existir problema, mas porque tudo o que acontece depois da vacina é associado a ela. A vacina só protege, evita que a criança adoeça, e não o contrário. Algumas pessoas não são adeptas e impedem que as crianças tomem. Mas orientamos e reforçamos: vacina não traz prejuízo a ninguém, é proteção", esclarece, sob a concordância total da psicóloga Ana Cristina Gama, 30.

Mesmo com o cartão de vacinação da caçula Ana Luíza, de três meses, completamente em dias, a psicóloga não baixa a guarda quando o assunto é a proteção da pequena. "Mês passado ela tomou a primeira dose da vacina da pólio, e já estou atenta à data da próxima. Eu tenho consciência da importância da imunização, acho irresponsabilidade essa crença em mitos. É muito melhor prevenir do que, depois, tentar remediar", opina, afirmando que próxima segunda-feira é a vez do filho de dois anos ir ao Centro de Saúde do Meireles para tomar as duas gotinhas contra a poliomielite e a injeção contra sarampo.

Postos

Em Fortaleza, as salas de vacinação de todos os postos de saúde ficam abertas de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h30. Nos fins de semana, apenas os postos Paulo Marcelo, no Centro, e Messejana abrem, das 8h às 16h30. Já no Dia D da campanha, 18 de agosto, sábado, todos os postos ficam abertos, e a Capital deve contar ainda com minipostos móveis, localizados em praças, igrejas, supermercados e escolas, a fim de facilitar o acesso da população e atingir as 138.317 crianças entre um e menos de cinco anos de Fortaleza. Os locais, informa Soldatelli, ainda serão definidos e divulgados.

Além das crianças e como prevê o Calendário de Vacinação 2018 divulgado pela Secretaria da Saúde, a imunização contra sarampo, caxumba e rubéola deve ser aplicada também em adolescentes entre 11 e 19 anos, em duas doses; mesma quantidade preconizada para adultos de 20 a 29 anos. A população com idade entre 30 e 49 anos também deve procurar a vacinação tríplice viral, em dose única.

"É importante saber: a vacinação contra a poliomielite e o sarampo é de rotina, está sempre disponível. Na campanha, o foco são as crianças, que receberão uma dose independentemente de já terem tomado. Os adultos também podem se vacinar, mas seguindo o previsto no calendário", pontua a coordenadora municipal de Imunizações.



Total de acessos: 239701

Visitantes online: 1