Carregando...

Publicidade

Volante Nenê Bonilha faz parte do grupo que chegou no decorrer do primeiro turno da Série B e já se adaptou ao estilo de jogar do Leão. (Foto: Thiago Gadelha)

Fortaleza: 70% de cara nova.

Fortaleza se reinventou na primeira etapa da Série B e superou perdas para manter a liderança na virada do turno.

08/08/2018

O torcedor do Fortaleza mais atento, que tenha comparado a formação titular do time que estreou na Série B do Campeonato Brasileiro, contra o Guarani/SP, na Arena Castelão, com o time que encerrou o primeiro turno da competição, verá que muita coisa mudou no Tricolor de Aço.

O Leão se apresentou muito modificado, comparando-se do primeiro ao último jogo do primeiro turno e mesmo assim, contando com resultados que lhe favoreceram, com a competência dos seus jogadores e comissão técnica, houve uma recuperação da campanha, apesar de várias perdas no elenco.

Contra o Guarani, no dia 13 de abril, o Leão fez 2 a 1 no time campineiro com uma formação. Já no dia 4 de agosto, também venceu por 2 a1, desta feita o Coritiba, entretanto, com oito jogadores diferentes na escalação principal, totalizando uma modificação de mais de 70%.

Ajustada

A formação que entrou em campo contra o Coritiba já estava mais ajustada ao esquema tático do técnico Rogério Ceni, apesar de modificações estruturais significativas. O ataque já era outro: Marlon, Éderson e Marcinho; o lateral-esquerdo improvisado foi Adalberto, Derley e Jean Patrick não estavam no time que iniciou a partida, enfim, foram alterações que se mostraram consistentes de modo especial na 19ª rodada da Série B.

Tinga

O lateral-direito Tinga foi um ponto em comum nas duas formações e inclusive, marcando gols nos dois jogos. O lateral, na sua visão, tenta explicar o que houve de positivo no intervalo entre o primeiro e último jogo, para que houvesse uma recuperação do time: "Acho que foi o treinamento. A gente ficou se falando que mudou bastante o time titular. Isso é treino, o pessoal que chegou já está entrando no ritmo. O Éderson, com pouco tempo que chegou, já está nos ajudando muito. Agora, o Gustavo está voltando, o Bruno Melo também retornando e quem está entrando, está dando conta do recado. Isso está sendo importante", avaliou Tinga.

Bonilha

O volante Nenê Bonilha é da turma que chegou depois e manteve a consistência da meia cancha, na ausência de Jean Patrick, que está com lesão no púbis. Ele tem uma opinião: "A recepção que os que já estavam aqui deram para nós que chegamos depois foi um fator importante. Desde o porteiro, até funcionários, o Rogério Ceni e isso fez a nossa adaptação ocorrer mais rápido", disse Nenê.


(Foto: Reprodução/Diário do Nordeste)


Total de acessos: 218952

Visitantes online: 4