Carregando...

Publicidade

Vírus da doença foi levado por macacos infectados por mosquitos para áreas urbanas. (Foto: Agência Brasil)

Febre Amarela: Migração de vírus é origem do surto.

24/08/2018

São Paulo. Os dois surtos recentes de febre amarela no País, com pouco mais de 2 mil casos confirmados e 850 mortes de julho de 2016 e junho deste ano, foram os maiores do Brasil em cem anos e levantaram a suspeita de que poderia ter voltado a ocorrer a transmissão urbana da doença. Mas uma ampla pesquisa que investigou, do ponto de vista genético e epidemiológico, as origens do surto bate o martelo: o que vimos ainda é a febre amarela silvestre.

O trabalho publicado esta semana na revista "Science" revela que o surto emergiu em macacos em Minas Gerais no final de julho de 2016, com vírus que migraram do Norte ou do Centro-Oeste para a Sudeste. Os pesquisadores estimam que eles chegaram possivelmente com a ajuda de atividades humanas, como transporte de mosquito em carros e tráfico ilegal de macacos.

A pesquisa, liderada pela Universidade de Oxford (Inglaterra) e da Fiocruz, aponta que uma linhagem do vírus se espalhou no ciclo silvestre entre primatas não humanos sem ser percebida em 2016, saltando para humanos no início de 2017.

Com análises genéticas, epidemiológicas e espaciais, foi observado que a partir do momento em que as ocorrências foram identificadas em macacos, os casos humanos apareciam cerca de quatro dias depois, o que corrobora a noção de que esses animais são mesmo sentinelas da febre amarela. O trabalho traz o sequenciamento de 62 genomas do vírus que circulou no primeiro surto. "Os surtos trouxeram vários aprendizados, reforçados pelo estudo O primeiro é sobre a importância de se manter vigilância constante sobre a expansão do vírus entre macacos. Fazer o diagnóstico rápido e seguir os avanços o mais rápido possível é o que vai permitir perceber quais são as áreas onde tem de se ampliar a vacinação", diz o pesquisador Renato Souza, do Instituto Adolfo Lutz, um dos autores do trabalho.

O vírus adormecia nos confins da Amazônia quando, em 2016, saltou para o Sudeste, levado por macacos infectados e mosquitos que os picavam. Com velocidade de cerca de 3,3 km por dia, o vírus chegou ao Rio e São Paulo. A febre amarela pode matar em menos de dez dias, devastando o corpo com sintomas como icterícia, dores abdominais, vômitos e sangramento.



Total de acessos: 239950

Visitantes online: 1