Carregando...

Publicidade

Plenário do TSE, em Brasília, deve analisar hoje a contestação à candidatura de Alckmin por Henrique Meirelles (MDB) e o registro de José Maria Eymael. (Foto: TSE)

Na Justiça Eleitoral: Pedidos de registros de Alckmin e Eymael em pauta.

Sessão extraordinária decidirá se poderão concorrer à Presidência da República candidatos do PSDB e da DC.

31/08/2018

Brasília. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) vai julgar na sessão extraordinária de hoje, a partir das 14h30, os pedidos de registro dos candidatos à Presidência da República Geraldo Alckmin (PSDB) e José Maria Eymael (Democracia Cristã).

A candidatura de Alckmin foi contestada pelo adversário Henrique Meirelles (MDB), que questionou documentos da coligação formada pelo ex-governador de São Paulo.

Alckmin abriu o dia de campanha, ontem, na Baixada Fluminense, região Metropolitana do Rio, em um encontro com lideranças políticas na casa de shows RioSampa. No palanque, aliados do DEM, Progressista e Solidariedade, entre os quais nomes citados na Lava-Jato, como Júlio Lopes (PP). Na plateia, cerca de 200 pessoas, a maioria cabos eleitorais dos candidatos a deputados federal e estadual da região.

O candidato do PSDB à presidência da República acusou o candidato do PSL, Jair Bolsonaro (PSL), de "não ter apreço" pelas pessoas.

Questionado sobre as declarações do pedetista, Ciro Gomes, que chamou o adversário de "Hitlerzinho", disse que a política precisa enxergar as pessoas.

"Um candidato que não tem apreço pelos mais pobres, pelas mulheres, pelos negros, pelos gays, pelos índios e pelas empregadas domésticas não é possível. A política precisa enxergar as pessoas. Não pode deixar ninguém para trás. Se não, é a incivilização. O grande massacra o pequeno. É com diálogo que vamos crescer", disse .

Após o discurso, Alckmin declarou que falta confiança para o Brasil receber investimentos. Segundo ele, o mundo tem oferta de capital e os investimentos podem ser feitos com recursos privados. "Temos grande liquidez no mundo e crescimento da economia mundial. No rumo certo, das reformas, Brasil vai ter muito investimento", completou.

Arrecadações

Duas semanas após o início oficial da campanha eleitoral, dez dos 13 candidatos à Presidência da República declararam ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que arrecadaram R$ 95,5 milhões. O maior volume - 45,4% - é Alckmin, que informou ter recebido R$ 43,4 milhões da direção nacional do PSDB. A menor arrecadação declarada, até o fechamento desta edição, foi do candidato João Goulart Filho (PPL): R$ 1,8 mil de financiamento coletivo e gasto de R$ 157,10 de taxa de administração.

Segundo dados disponíveis no portal do TSE, até este momento, a campanha do PSDB não informou despesas eleitorais. O teto de gastos estabelecido pelo TSE, no primeiro turno de cada campanha presidencial, é de R$ 70 milhões. Já Meirelles informou uma doação própria de R$ 20 milhões e gastos de R$ 50 mil, com o impulsionamento de conteúdos na internet. Meirelles declarou um patrimônio total de R$ 377, 5 milhões.

Fundo de campanha

Conforme declaração ao TSE, o PT movimentou R$ 20 milhões do Fundo Especial de Financiamento de Campanha. A campanha gastou R$ 550 mil na confecção de adesivos. O valor foi pago à gráfica Mack Color. Já Marina (Rede) arrecadou R$ 5,8 milhões, sendo a maior parte (R$ 5,6 milhões) repassada pela direção nacional da sigla.



Total de acessos: 240252

Visitantes online: 1