Ouça agora

Estaduais

Compartilhe agora

Hidrovia Tietê-Paraná tem alta de 120,7% na movimentação de cargas

Postado em 06/02/2024 por Sistema Plug

img-page-categoria

Fonte imagem capa:Hidrovia Tietê-Paraná

Um dos mais importantes eixos de logística no país, com seus 2,4 mil quilômetros navegáveis, a Hidrovia Tietê-Paraná registrou, em 2023, um expressivo aumento na movimentação total de cargas.

Segundo a Secretaria de Meio Ambiente, Infraestrutura e Logística (Semil), a alta foi de 120,7%, comparada ao mesmo período de 2022, com transporte de 2,4 milhões de toneladas em 2023 contra 1,1 milhão de toneladas no ano anterior.

O índice expressivo é explicado principalmente a partir da crescente movimentação da soja, aliada à uma gestão mais eficiente da hidrovia, que é administrada pelo Departamento Hidroviário (vinculado à Semil). De janeiro a junho de 2023 a hidrovia já havia batido o recorde de aumento de 76% na movimentação fluvial de cargas.

Em sua extensão, a Hidrovia Tietê-Paraná atende, sobretudo, ao transporte da produção agrícola e possui 30 terminais intermodais para carga e descarga de produtos, responsável por conectar os estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Minas Gerais, Goiás e São Paulo.

No trecho paulista são 800 quilômetros, indo desde Mogi das Cruzes até o município de Pereira Barreto. Neste trecho a hidrovia possui 14 terminais intermodais que funcionam associados a 9 barragens, 10 eclusas e 23 pontes em sua estrutura.

Dentre as commodities mais transportadas, a soja representou 41% das cargas, equivalente a 990 mil toneladas do grão. Em segundo aparece o milho, com 682 mil toneladas e, em terceiro lugar, a cana-de-açúcar e derivados, com 584,4 mil toneladas. O transporte de passageiros registrou mais de 85 mil pessoas.

“Trata-se de um eixo importante para esse modal e estratégico para a economia de São Paulo. O governo tem atuado para ampliar ainda mais o papel da hidrovia no escoamento da produção do Estado”, afirma a secretária Natália Resende em alusão à obra de aprofundamento do canal de Nova Avanhandava, um projeto antigo que foi retomado em março. A primeira explosão para a obra ocorreu em fins de agosto.

Canal de Nova Avanhandava

As obras vêm sendo executadas por meio de uma complexa operação com remoção de 19 a 21 mil metros cúbicos de rochas por mês. Para que não haja implicações com a fauna aquática local está sendo aplicada uma técnica que mantém peixes afastados. Ao todo serão removidos 552 mil metros cúbicos de rochas ao todo – volume equivalente ao de 600 piscinas olímpicas -, com detonações subaquáticas de rochas para aumento do calado no canal, em Buritama, o que permitirá a navegabilidade na hidrovia mesmo em períodos de estiagem.

Desta forma, 2,57% das obras já foram executados, e a previsão é que até abril de 2026 todo o trecho de Nova Avanhandava esteja completamente ampliado, com um um investimento de R$ 293,7 milhões que garante o aumento da profundidade do canal de navegação no reservatório de Três Irmãos, ao longo de 16 km.

A ampliação também permitirá maior flexibilidade na operação das Usinas Hidrelétricas de Três Irmãos e Ilha Solteira, resultando em um fluxo mais contínuo de cargas movimentadas sem conflitos entre navegação e geração de energia com garantia de produtividade.

Para Jamille Consulin, diretora do Departamento Hidroviário (DH), a obra é resultado de investimentos em infraestrutura que repercutem na economia do Estado, e sem a decorrência de aumento de poluentes, já que o modal é de baixo impacto ambiental quando comparado à movimentação de cargas nos eixos rodoviários, quando seriam necessárias 43 carretas, de 35 toneladas cada, para levar o mesmo volume que cada embarcação do tipo ‘chata’ é capaz de uma única vez.